"A entrada em bolsa do Spotify só prova que quer ser credível"

A maior plataforma de distribuição de música chegou a Wall Street no momento em que os autores exigem receber mais, diz o músico Tozé Brito. Tudo começou na Suécia

"Não há problema algum com o Spotify. Paga, mas paga pouco. Abaixo do que achamos justo, estamos a negociar", afirma Tozé Brito, músico e administrador da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), a propósito da plataforma de distribuição de música que ontem chegou a Wall Street. "É, de longe, a mais forte do mundo. O ser cotada só prova que quer ser credível e transparente", considera.

Mudou (quase) tudo desde que a 7 de outubro de 2008, a partir da Suécia, Daniel Ek e Martin Lorentzon lançaram este serviço de streaming que propunha a passar música à borla com publicidade ou sem "ruído" por uma mensalidade,.

Os utilizadores ativos da plataforma são hoje 154 milhões nos 65 mercados em que está disponível, Portugal incluído, desde 2013; 71 milhões são subscritores do serviço premium, acedendo a um catálogo de 35 milhões d e obras (música, mas também podcasts e vídeos). Até 31 de dezembro tinham sido pagos 8 mil milhões de euros em direitos, de acordo a empresa.

Números que fazem a diferença, segundo Tozé Brito em declarações ao DN. "Eles não tinham a noção do que ia acontecer, nem nós. Quando apareceu pusemos um preço baixo, o serviço era novo, provou-se que é próspero, estamos a renegociar". A renegociar com o Spotify, a entrar em entendimento com o Facebook, com acordos firmados com o Google (detentor do YouTube), confirma o administrador da SPA.

71 milhões de subscritores: Utilizadores do serviço premium do Spotify nos 65 mercados em que está disponível. Israel, Roménia, África do Sul e Vietnam foram os últimos.

A negociação é feita através Armonia, que é, por sua vez, uma sociedade de empresas que representam autores de nove geografias - além de Portugal, Espanha, França, Luxemburgo, Bélgica, Itália, Suíça, Áustria e Hungria. Outra sociedade do género é a ICE, que reúne catálogos do Reino Unido, Holanda, Alemanha e países nórdicos.

"O que se negoceia são mínimos", adianta. "Menos do que um determinado valor não se pode pagar, quem tem mais poder negocial recebe mais". A francesa Sacem, por exemplo, reúne o catálogo da editora Universal. "Só isso é 50% do catálogo de música estrangeira". O inventário de títulos portugueses é 1% do total. E sem revelar números exatos, dá uma ordem de grandeza do que está em causa: "Começámos com 0,002 cêntimos; passámos para 0,02; agora queremos os 0,2 cêntimos".

Quem continua a receber a maior fatia são os detentoras do master, as editoras. "Durante 50 anos - enquanto eram as editoras que pagavam aos músicos, promoviam a música, prensavam os discos, distribuíam - o acordo que vigorou foi o BIEM [Comissão de Sociedades de gestão de dreitos de gravação e reprodução mecânica]. Os autores tinham 10%, as editoras 90%", diz Tozé Brito. "O que se está a passar agora é que as editoras estão a receber 89% e os autores 1%. As editoras queixam-se porque o que recebem comparado com o que ganha o Spotify é pouco".

A história começa a desenhar-se em Ragsved, arredores da capital sueca, no quarto do adolescente Daniel Ek, onde se guardavam os servidores dos websites de negócios locais que começou a desenhar aos 14 anos. Depois de abandonar a faculdade criou uma empresa de anúncios online que acabaria por ser comprada pela Tradedoubler de Martin Lorentzon, com quem viria a fundar o Spotify.

Ek, com 35 anos, quebrou a regra de discrição quase absoluta ontem, dia do Spotify chegar à bolsa (não é de menos relembrar), numa entrevista à CBS This Morning, em que lembrou o princípio de tudo. "Para mim, alguém que cresceu num subúrbio da classe média de Estocolmo, não podia adquirir toda a música. Por isso, em 1998, 1999, eu estava realmente a pensar como poderia ter toda a música e fazê-lo de forma legal compensando o artista". Nem sempre conseguiu.

Só em 2017, após três anos de litígio, chegou a acordo com Taylor Swift sobre os direitos das canções da cantora norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.