"A entrada em bolsa do Spotify só prova que quer ser credível"

A maior plataforma de distribuição de música chegou a Wall Street no momento em que os autores exigem receber mais, diz o músico Tozé Brito. Tudo começou na Suécia

"Não há problema algum com o Spotify. Paga, mas paga pouco. Abaixo do que achamos justo, estamos a negociar", afirma Tozé Brito, músico e administrador da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), a propósito da plataforma de distribuição de música que ontem chegou a Wall Street. "É, de longe, a mais forte do mundo. O ser cotada só prova que quer ser credível e transparente", considera.

Mudou (quase) tudo desde que a 7 de outubro de 2008, a partir da Suécia, Daniel Ek e Martin Lorentzon lançaram este serviço de streaming que propunha a passar música à borla com publicidade ou sem "ruído" por uma mensalidade,.

Os utilizadores ativos da plataforma são hoje 154 milhões nos 65 mercados em que está disponível, Portugal incluído, desde 2013; 71 milhões são subscritores do serviço premium, acedendo a um catálogo de 35 milhões d e obras (música, mas também podcasts e vídeos). Até 31 de dezembro tinham sido pagos 8 mil milhões de euros em direitos, de acordo a empresa.

Números que fazem a diferença, segundo Tozé Brito em declarações ao DN. "Eles não tinham a noção do que ia acontecer, nem nós. Quando apareceu pusemos um preço baixo, o serviço era novo, provou-se que é próspero, estamos a renegociar". A renegociar com o Spotify, a entrar em entendimento com o Facebook, com acordos firmados com o Google (detentor do YouTube), confirma o administrador da SPA.

71 milhões de subscritores: Utilizadores do serviço premium do Spotify nos 65 mercados em que está disponível. Israel, Roménia, África do Sul e Vietnam foram os últimos.

A negociação é feita através Armonia, que é, por sua vez, uma sociedade de empresas que representam autores de nove geografias - além de Portugal, Espanha, França, Luxemburgo, Bélgica, Itália, Suíça, Áustria e Hungria. Outra sociedade do género é a ICE, que reúne catálogos do Reino Unido, Holanda, Alemanha e países nórdicos.

"O que se negoceia são mínimos", adianta. "Menos do que um determinado valor não se pode pagar, quem tem mais poder negocial recebe mais". A francesa Sacem, por exemplo, reúne o catálogo da editora Universal. "Só isso é 50% do catálogo de música estrangeira". O inventário de títulos portugueses é 1% do total. E sem revelar números exatos, dá uma ordem de grandeza do que está em causa: "Começámos com 0,002 cêntimos; passámos para 0,02; agora queremos os 0,2 cêntimos".

Quem continua a receber a maior fatia são os detentoras do master, as editoras. "Durante 50 anos - enquanto eram as editoras que pagavam aos músicos, promoviam a música, prensavam os discos, distribuíam - o acordo que vigorou foi o BIEM [Comissão de Sociedades de gestão de dreitos de gravação e reprodução mecânica]. Os autores tinham 10%, as editoras 90%", diz Tozé Brito. "O que se está a passar agora é que as editoras estão a receber 89% e os autores 1%. As editoras queixam-se porque o que recebem comparado com o que ganha o Spotify é pouco".

A história começa a desenhar-se em Ragsved, arredores da capital sueca, no quarto do adolescente Daniel Ek, onde se guardavam os servidores dos websites de negócios locais que começou a desenhar aos 14 anos. Depois de abandonar a faculdade criou uma empresa de anúncios online que acabaria por ser comprada pela Tradedoubler de Martin Lorentzon, com quem viria a fundar o Spotify.

Ek, com 35 anos, quebrou a regra de discrição quase absoluta ontem, dia do Spotify chegar à bolsa (não é de menos relembrar), numa entrevista à CBS This Morning, em que lembrou o princípio de tudo. "Para mim, alguém que cresceu num subúrbio da classe média de Estocolmo, não podia adquirir toda a música. Por isso, em 1998, 1999, eu estava realmente a pensar como poderia ter toda a música e fazê-lo de forma legal compensando o artista". Nem sempre conseguiu.

Só em 2017, após três anos de litígio, chegou a acordo com Taylor Swift sobre os direitos das canções da cantora norte-americana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.