A belíssima glorificação de Dan Rather em Toronto

Truth é um conto de caução sobre o fim da verdade no jornalismo televisivo. Um dos grandes acontecimentos no Festival.

Depois de Spotlight, de Tom McCarthy ter sido um dos casos com melhor imprensa em Veneza, o jornalismo mais nobre tem agora outra história verdadeira em Toronto, a história do caso que levou à saída de Dan Rather da CBS.

Truth, de James Vanderbilt é até agora a grande surpresa do festival. Um filme de investigação jornalística que retoma o espírito de clássicos como Os Homens do Presidente (1976) e A Última Testemunha (1974), ambos de Alan J. Pakula. Cinema dos anos 70, assumido. Limpinho, limpinho.

É um dos filmes que certamente vai ter um papel predominante na temporada dos prémios, em especial nas categorias de argumento e interpretações, com Robert Redford (que deverá ser proposto para ator secundário) perfeito de classe e rigor como Dan Rather e Cate Blanchett (o seu único problema é a Cate Blanchett de Carol, de Todd Haynes), superlativa como Mary Mapes, a produtora do programa 60 Minutos.

No sábado, na sua estreia mundial no velho cinema Winter Garden do Elgin, os aplausos foram demorados e a emoção na sala muito forte, em parte devido à presença de Dan Rather. Vanderbilt, que se estreia como realizador depois de ter ganho aclamação após o argumento de Zodiac, de David Fincher, conta os acontecimentos que estiveram por detrás da investigação de Rather e da sua equipa do 60 Minutos acerca do passado militar de George W. Bush.

Uma investigação que provava que o então Presidente e candidato ao segundo mandato teria forjado uma campanha militar e desaparecido do seu posto. Quando a história foi mostrada ao público, a administração Bush moveu uma vil campanha a Mapes e a Rather, tendo, mais tarde, a CBS afastado todos os jornalistas que participaram nesta história.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.