A beleza de Raimund Hoghe não se encontra nas revistas

O coreógrafo alemão que durante dez anos trabalhou com Pina Bausch regressa a Lisboa com "Songs for Takashi", na Culturgest, em Lisboa

Na única vez em que Raimund Hoghe fez uma audição, para Young People, Old Voices (2002), na Bélgica, "toda a gente falava de uma rapariga", a mais bonita de Bruges. Mas o coreógrafo alemão que tomou para si a expressão de Pier Paolo Pasolini "lançar o corpo na batalha", mostrando o seu, corcunda, quando a viu, disse-lhe: "És demasiado bonita." Hoghe explica: "Não procuro a beleza de revista." E, se bem que para a peça lhe possa interessar uma pessoa que encontre a servir à mesa e que não seja bailarino, daqui a duas semanas Hoghe estará no Porto a fazer audições (as inscrições acabam hoje) para a mesma peça, numa versão mais curta, e que deverá estrear em março no Teatro Rivoli.

Agora, porém, Hoghe está em Lisboa, primeiro lugar onde se estreou fora da Alemanha, há 24 anos, para apresentar Songs for Takashi (2015), hoje e amanhã na Culturgest, em Lisboa. Takashi é Takashi Ueno, bailarino japonês com quem o alemão já trabalhou em Si je meurs laissez le balcon ouvert, Pas de Deux, Cantatas ou An Evening with Judy.

No começo de Songs for Takashi, peça fortemente nostálgica, Hoghe está em palco, e ouvimos Liza Minelli cantar Everytime We Say Goodbye. Também é ele que está na frente quando se ouve a voz de Charles Aznavour a cantar Sa Jeunesse. "O Takashi não gosta de estar sozinho em palco, diz que se sente mais livre se eu estiver lá". Tal como acontece em Pas de Deux quando se ouvem as bombas a cair em Hiroshima, agora é a canção Mein lieber herr, uma das mais emblemáticas da Segunda Guerra Mundial, que nos leva a essa época. Hoghe nasceu em 1949 na cidade de Wuppertal, numa Alemanha devastada, que não falava sobre o assunto, mas onde ele, criança, reparava na quantidade de viúvas. Não foi o caso da sua mãe, que ainda assim o criou sozinha, bem como à sua irmã. Ela ia muito ao teatro; já o avô, que lia o jornal na cozinha noite dentro, e com quem também cresceu, levava-o ao cinema.

"Não tínhamos muito dinheiro, mas a minha mãe tinha os seus sonhos. Fazia roupas lindas para nós, e para ela. Quando se olha para as fotografias, ela está sempre muito bem vestida, não como uma mulher pobre." Talvez lhe tenha vindo daí, em parte, o amor à beleza, evidente sobretudo na música que escolhe para conduzir as suas peças. "Tive muito amor da minha mãe, aceitava-me, isto não é muito comum", diz Hoghe, quando falamos do que foi determinante na sua formação. A mãe morreria quando ele tinha 17 anos e, com a irmã numa cidade distante, ficaria sozinho. Depois de acabar a escola, começou a escrever para jornais, ofício que o levaria a publicações como o Die Zeit. Foi enquanto jornalista que conheceu Pina Bausch, de quem se tornaria dramaturgo durante dez anos. "Ela nunca tinha trabalhado com um dramaturgo, e eu não era um dramaturgo. Ela gostava da minha escrita, que eu não explicasse as coisas às pessoas, porque estava ligada à sua forma de trabalhar. Para mim, éramos como irmão e irmã. Interessávamo-nos pelas mesmas coisas, o mesmo tipo de música, o mesmo tipo de pessoas: com personalidade forte."

Perguntamos-lhe como começou a criar movimento. "Eu não crio movimento. Ponho música nos ensaios e os bailarinos reagem." Foi o que fez com Takashi. Que acabamos de ver ao som de Le Temps, de novo com Aznavour.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.