"A adoração dos magos": campanha já recolheu 170 mil euros

A campanha Vamos pôr o Sequeira no Lugar já angariou 170 mil euros dos 600 mil necessários para que o Museu Nacional de Arte Antiga possa adquirir a obra

A campanha de angariação de fundos para comprar a tela "A Adoração dos Magos", do pintor português Domingos António Sequeira (1768-1837), recolheu mais de 170 mil euros, revelou hoje a organização.

Contactado pela agência Lusa sobre o valor já recolhido, o gabinete de comunicação do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), avançou que esta entidade conseguiu, até hoje, obter 171.813 euros para comprar a tela, que custa 600 mil.

Lançada no ano passado, a campanha "Vamos pôr o Sequeira no Lugar Certo" tem como objetivo ajudar o museu a adquirir, a privados, a obra de Domingos Sequeira pintada em 1828, da qual o MNAA possui o desenho final e vários preparatórios.

Também hoje a direção da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) anunciou que irá entregar na quarta-feira um donativo para a campanha no MNAA, retirado do Fundo Cultural da entidade.

"É o dinheiro dos autores que contribui, num ato de solidariedade, e mobilização cívica, para que um grande quadro da História da pintura em Portugal permaneça no museu onde se encontram outras obras fundamentais do artista" do século XVIII.

A tela de Domingos Sequeira - considerada "insubstituível" pelo museu - faz parte da série "Palmela", com quatro pinturas religiosas, e o MNAA possui, na sua coleção, os desenhos preparatórios de estudo de todas elas, mas não os respetivos óleos.

Em Portugal, a iniciativa é inédita, mas habitual em países como os Estados Unidos, França ou Reino Unido, onde a primeira campanha no género foi feita em 1906.

Há dois anos, o Louvre, em Paris, um dos museus mais visitados do mundo, recorreu a uma campanha pública de angariação, para financiar a restauração de uma das suas obras mais importantes, a escultura Vitória de Samotrácia, datada de 190 antes de Cristo.

O MNAA tem no seu acervo cerca de 30 obras em pintura e desenho de Domingos Sequeira, cujo trabalho realizado nas primeiras décadas do século XIX se encontrava no "umbral da modernidade", entre o Classicismo e o Romantismo, de um modo similar a Francisco de Goya, seu contemporâneo na cultura espanhola.

Devido ao seu talento, Domingos Sequeira conseguiu proteção aristocrática e uma bolsa para se aperfeiçoar em Roma, onde privou com vários mestres e conquistou prémios académicos.

Para divulgar a campanha -- a decorrer até abril - o museu reuniu informação em sequeira.publico.pt.

Também em dezembro do ano passado, a Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) e a Associação Nacional de Freguesias (Anafre) fizeram um apelo à participação das autarquias na angariação de fundos, para que o museu adquira "A Adoração dos Magos", de Domingos Sequeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.