99 CASAS

A crise do mercado imobiliário americana em filme digno de registo

Realizador americano de ascendência iraniana, Ramin Bahrani (n. 1975) tem sido apontado como uma das vozes mais originais de uma área mais ou menos independente, muito ligada a temas com importantes ressonâncias sociais.

O menos que se pode dizer face a este brilhante 99 Homes é que Bahrani sabe recuperar as componentes clássicas do melodrama familiar para, com invulgar contundência emocional, encenar uma história de perturbante actualidade.

Emergem, aqui, os ecos da crise financeira de 2008, vistos através do dia a dia de um homem (Michael Shannon) que, ao serviço dos bancos, tem como actividade regular o despejo de famílias que não conseguiram cumprir as obrigações dos respectivos empréstimos; o envolvimento com o chefe de uma dessas famílias (Andrew Garfield) vai gerar uma inesperada rede de cumplicidades e traições.

Através de uma requintada direcção de actores (Laura Dern é também uma presença essencial), Bahrani relembra-nos que o grande cinema americano existe muito para além da aplicação de efeitos especiais.

Classificação: ****

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.