87 mil viram os 70 anos da TAP no MUDE

Exposição juntava vários objetos da história da transportadora aérea. Fechou no domingo

A exposição "TAP Portugal: Imagem de um Povo", que esteve patente durante quatro meses no Museu do Design e da Moda (MUDE), em Lisboa, foi visitada por 87.825 pessoas, disse hoje à agência Lusa fonte da entidade.

A exposição - montada para celebrar 70 anos da história da transportadora aérea nacional ligada à imagem do país lá fora - encerrou no domingo passado, no museu gerido pela Câmara Municipal de Lisboa.

O MUDE tinha lançado em fevereiro deste ano um apelo público para recolha de objetos, cartazes e indumentária, relacionados com a TAP que pudessem ser cedidos para a exposição.

Uniformes, cartazes, campanhas publicitárias, postais, faqueiros e objetos de bordo, incluindo peças cedidas por particulares, colecionadores e antigos funcionários da TAP, estiveram reunidos na exposição "TAP Portugal: Imagem de Um Povo - Identidade e Design da Companhia Aérea Nacional - 1945-2015".

A TAP - Companhia Aérea Portuguesa foi criada em março de 1945, por Humberto Delgado, quando era diretor do Secretariado da Aeronáutica Civil, tendo nesse ano sido adquiridos os primeiros aviões com capacidade para 21 passageiros.

Ao longo dos 70 anos de existência, a imagem e a identidade da TAP acompanharam a história do país, tendo passado por diversas fases e recebido o contributo de muitos designers portugueses, como Gonçalo Pais de Freitas, Gustavo Fontoura, Augusto Cid, Daciano da Costa, Carlos Rocha, Manuel Alves e José Manuel Gonçalves.

Além destes, entre os designers e artistas representados, que foram importantes para criar uma imagem moderna do país e da TAP, incluem-se ainda Sebastião Rodrigues, Keil do Amaral, Eduardo Anahory, Louis Féraud, Ana Maravilhas, Manuel Rodrigues e José Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.