51 anos depois Paul McCartney volta a tocar 'Hard Day's Night'

Tema deu nome ao terceiro álbum dos Beatles e ao primeiro filme da banda (de muito sucesso). Nova digressão começou nos EUA com tema que McCartney nunca tinha tocado a solo

Hard Day's Night é um dos temas marcantes da carreira dos Beatles, pois está ligado ao primeiro filme da banda, que tem o mesmo nome. Estreou em 1964 e foi aclamado pela crítica e pelos fãs. A música seguiu o exemplo de muitos dos outros temas dos Beatles - um sucesso - dando também nome ao terceiro álbum.

Composto por John Lennon e Paul McCartney, o tema nunca foi tocado pelo último desde que começou a carreira a solo. A última vez que McCartney tocou Hard Day's Night foi com os Beatles em Daly City, na Califórnia, a 31 de agosto de 1965, segundo o site da revista Rolling Stone. A longa espera terminou no arranque da digressão One On One, esta quarta-feira.

Hard Day's Night abriu o concerto que contou com 38 temas, não tendo sido o único "regresso" ao reportório de McCartney, pois também tocou pela primeira vez a solo Love Me Do.

A nova digressão de Paul McCartney (73 anos) começou em Fresno, na Califórnia e vai manter-se nos EUA e Canadá até ao início de maio. Das datas já confirmadas, na Europa apenas estão agendados, até ao momento, três concertos na Alemanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.