2,6 milhões visitaram maravilhas de Sintra

A Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML) registou em 2016 uma subida de 17,52% de visitantes do património sob a sua gestão, face ao ano anterior, totalizando mais de 2,6 milhões de entradas, informou hoje a sociedade.

"À semelhança de outros anos, o parque e o Palácio Nacional da Pena voltou a ser o polo mais procurado, com um total de 1.326.819 entradas. Continua assim a ser um dos palácios mais visitados do país, com uma subida de 22,54% em relação a 2015", explicou, em comunicado, a sociedade que gere os jardins históricos e monumentos de Sintra.

O total de 2.625.011 visitantes repartiu-se, a seguir à Pena, pelo Palácio Nacional de Sintra (545.023 entradas), Castelo dos Mouros (424.243), Palácio Nacional de Queluz (147.592), parque e o Palácio de Monserrate (121.018), Convento dos Capuchos (35.180) e Chalet da Condessa d'Edla (18.147).

Entre os visitantes predominaram os estrangeiros, cerca de 82,19%, com 17,81% de portugueses, e as nacionalidades com maior expressão foram do Reino Unido (19,49%), França (16,48%) e Espanha (14,92%), revelou a PSML.

Para Manuel Batista, presidente da PSML, citado no comunicado, registou-se "uma continuação do aumento do número de visitantes e tem-se verificado um aumento constante do número de pessoas interessadas em Sintra e nos seus espaços, o que reflete o trabalho da empresa e do país na promoção e divulgação".

O dirigente adiantou que, em 2017, vão decorrer obras de recuperação do Convento dos Capuchos e prosseguirá a aposta em novos projetos de animação cultural, para "atingir novos públicos".

A PSML foi criada em 2000, na sequência da classificação de Sintra pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) como Património Mundial, na categoria de Paisagem Cultural.

A sociedade é detida pela Direção Geral do Tesouro e Finanças, Instituto da Conservação da Natureza e Florestas, Turismo de Portugal e Câmara Municipal de Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.