25 Concertos para celebrar o 25 de Abril

Se celebrar o 42.º aniversário do 25 de Abril não é motivo suficiente para sair de casa, dê uma vista de olhos nas nestas 25 sugestões de concertos, e verá que ficar em casa deixará de ser opção.

Muitas música para as comemorações do 25 de Abril, um pouco por todo o País.

Norte

"Quis saber quem sou... O que faço aqui..." O homem que deu voz à senha da revolução, Paulo de Carvalho, estará na Lousada, no Auditório Municipal da cidade. Dono de temas como Mãe Negra, Nini dos meus Quinze Anos ou a incontornável E depois do Adeus, o cantor que venceu por duas vezes o Festival da Canção, começa a atuar às 21.30. Os bilhetes têm o preço de 8 euros.

De Lousada partimos até Ponte de Lima, onde estará outro grande marco da música portuguesa: Carlos Mendes. No dia em que se celebra a liberdade, o cantor levará a Festa da Vida, tema com que ganhou o Festival da Canção em 1972, até à vila portuguesa. O concerto, que terá o preço de 2 euros, acontece a partir das 22.00 no Teatro Diogo Bernardes.

Os Capitão Fausto também celebram o 25 de abril, mas começam as comemorações um dia antes, na noite de 24. A cidade de Viseu será a anfitriã para este grupo, e a galeria Carmo'81 o palco. Neste momento, a banda promove o seu álbum Capitão Fausto Têm os Dias Contados, que tem recebido o aplauso da crítica e do público. O concerto terá início às 23.00.

As irreverentes bandas portuguesas continuam em destaque no Norte, e no Porto, que pela primeira vez recebe as comemorações oficiais do 25 de abril, será a vez dos Quinta do Bill inundarem os Aliados, com o seu Filhos da Nação, na noite de 24 para 25, a partir das 22.00.

Já no dia da liberdade, e depois de desfiles, jogos tradicionais e outras atividades (onde estará presente o Primeiro-Ministro), entram em cena os Virgem Suta, a partir das 17.00, que trarão as suas Artes do Amor para conquistar o público portuense, sem nunca prometer que esses mesmo visitantes não sofram uma Ressaca no dia a seguir.

E para finalizar a ronda pelo norte, o único e inigualável, Zeca Afonso, ou pelo menos a homenagem possível a este cantor, autor e defensor da liberdade. Será na Casa das Artes de Arcos de Valdevez, no dia 24, que se ouvirá Ailé Ailé: Zeca Cantado e Contado, por Daniel Completo e José Fanha, um poeta e declamador que foi companheiro de Zeca. O tributo, que servirá para dar a conhecer as músicas e os poemas de José Manuel Cerqueira Afonso dos Santos, é gratuito e começa às 22.00.

Centro

O Ateneu, em Coimbra, propõe uma celebração alternativa, com leituras, recitais e música. A festa começa às 21.30 do dia 24, com uma oficina de teatro, seguida de Apaixonadamente Abril, um conjunto de leituras relacionadas com a revolução. Isto até chegar ao apogeu da meia-noite, em que se Queima o Fascismo. Depois é a vez de entrar a Bonifrates Cooperativa e A Escola da Noite para que nada se perca, até porque Tudo se perde onde se perde a paz. A noite acaba com os momentos musicais do Grupo de Etnografia e Folclore da Academia de Coimbra.

De Coimbra para o Fundão, onde durante todo o mês se tem celebrado o 25 de Abril. Mas será no dia 24 que a comemoração recebe o cantautor AP Braga e Primabril Ensemble, grupo criado especialmente para este evento, que leva até ao Fundão músicas de intervenção que uniram as multidões aquando do derrube da ditadura. O concerto, que tem inicio às 22.00 de domingo, na Praça do Município, é antecedido pelo concerto da Banda Jota.

E chegamos a Lisboa, a Casa da Revolução. São muitas as hipóteses que a capital dá para quem queira celebrar o dia dos cravos, começando pelo Chapitô que convidou Catarina Martins, Isabel Moreira e Rita Rato para fazerem parte de uma festa que terá performances dos alunos e a atuação dos Duralex, grupo composto por pessoas ligadas à Justiça e que vai surpreender com cantares interventivos. A festa começa a partir das 22.00 de domingo e irá pela noite dentro.

Numa onda mais indie, a Casa Independente acolhe o Indie Lisboa - Indie By Night e recebe os Junta de Animação Nacional (JAN). "Baseados" na Junta de Salvação Nacional (o grupo de militares que sustentou o Governo após o 25 de Abril e que desenvolveu os 3 D's: Desenvolvimento, Democratização, Descolonização), os JAN foram convidados para dar a conhecer os seus D's: Divertimento e Dança. A iniciativa, que acontece na noite de 24 de abril, é a partir das 23.00 e a entrada é gratuita.

Loures comemora o 25 de Abril com arte pública, teatro, desporto e Fausto. O músico português, autor de 12 discos, é outra figura incontornável do panorama musical português que marca presença nas comemorações deste dia histórico. O seu concerto, no Pavilhão Paz e Amizade, acontece no domingo às 22.00. A entrada é gratuita.

Ir de Loures para Carnide, é como ir de Fausto para Viviane, porque é mesmo ela quem dará cara (e voz, obviamente) às comemorações que acontecerão no Largo do Coreto. Se o 25 de Abril é bem português, a voz de Viviane invoca o fado, o jazz, a bossa-nova ou a canção francesa. Poderá ouvi-la no domingo, a partir das 21.30, e não precisa de bilhete, porque não se paga entrada.

25 de Abril Sempre! é o nome da próxima sugestão. Promovida pela associação Renovar a Mouraria, este evento é outro tributo a Zeca Afonso, desta vez na tentativa de dar um novo fôlego ao repertório do cantor. Para isso, vai juntar-se a marimba de Márcio Pinto ao violoncelo de Catarina Anacleto. Esta comemoração do 25 de abril, num ambiente mais "exótico", acontece no domingo, às 19.00. Apareça, a entrada é livre.

Atravessando o rio Tejo, Almada vai celebrar a data com dois concertos na noite de 24 para 25 de Abril: primeiro, sobem ao palco os UHF, a mítica banda de rock portuguesa, que levará consigo O Melhor de 300 Canções, o novo álbum que reúne os 35 grandes êxitos da banda e mais dois originais. O concerto dos UHF começa às 22.00 e abrirão espaço para os Diabo na Cruz, que após o espetáculo de pirotecnia, dão inicio à apresentação do seu álbum Diabo na Cruz. O evento é gratuito.

Já no Barreiro, é Jorge Palma e Capicua quem dão cartas. O Parque da Cidade vai recebê-los, no domingo às 22.00, primeiro ao cantor de Deixa-me Rir e depois à rapper de Vaiorken. O "passado" e o "futuro" juntos num espetáculo gratuito.

Acabamos a ronda pelo centro do país no Seixal, que também celebrará o 25 de Abril com dois nomes de peso: Carminho e D.A.M.A. A cantora subirá ao palco às 22.00. Tal como acontece em Almada, às 00.00 é a hora do espetáculo de pirotecnia e depois, às 00.30, é a vez da atuação dos D.A.M.A.

Sul

Em Odemira, no Largo Brito Pai, os D.A.M.A. atuam a partir das 19.00. Segue-se a voz doce de Mia Rose às 22.00 e os poderosos Amor Electro que chegam às 00.30 quando no calendário já for 25 de Abril. No dia 25, haverá ainda espaço para António Zambujo trazer até Odemira a sua Lambreta. O concerto do músico acontece às 22.00.

Em Loulé, Vitorino, cantor do Alentejo e dos seus costumes, é o "cabeça de cartaz" das comemorações do 25 de Abril. Realizado no Cineteatro de Loulé, o concerto começa às 18.30 do dia 25. Músicas icónicas como Menina que Estás à Janela, Ó Rama, Ó que linda Rama não vão faltar. O preço dos bilhetes varia entre 5 e 7 euros.

E terminamos este roteiro de 25 concertos no 25 de Abril com uma das terras mais importantes do tempo da revolução: Grândola, a terra da fraternidade. O mestre-de-cerimónias será Sérgio Godinho, que deixará o público com aquele Brilhozinho nos Olhos. O espetáculo começa às 23.00 do dia 24, junto ao Complexo Desportivo Municipal José Afonso. A entrada é gratuita.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.