2015: o ano do regresso às salas de cinema?

Cerca de 10,8 milhões de espectadores foram ao cinema em Portugal entre janeiro e setembro deste ano, o que representa um aumento de mais de dois milhões de entradas, comparando com o ano passado.

De acordo com o Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), este ano as salas de cinema registaram 10,8 milhões de espectadores e 55,7 milhões de euros de receita bruta de bilheteira. Em 2014, nesse mesmo período, contabilizavam-se 8,6 milhões de espectadores e 44,8 milhões de euros de receitas.

Apesar deste aumento, setembro foi um dos meses que registou menor audiência em salas de cinema, com 923 916, metade do que foi registado, por exemplo em agosto.

Até setembro, os três filmes mais vistos pelos portugueses foram Os mínimos (perto de 928 mil espetadores) Velocidade furiosa 7 (832 mil) e a produção portuguesa O pátio das cantigas (quase 600 mil).

Estes números são animadores uma vez que 2014 tinha sido um ano terrível para o setor: de acordo com os dados do ICA, em 2014 registaram-se 12,1 milhões de espetacdores nas salas, o que significa uma descida de 3,8% em relação ao ano anterior. Nos últimos anos, aliás, o número de espectadores nas salas portuguesas tem vindo a diminuir. Entre 2010 e 2014, as salas de cinema portuguesas perderam 5 milhões de espectadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?