20 anos de jazz, do Héritage Café à Real Vinícola

Orquestra Jazz de Matosinhos inaugura hoje a nova (e primeira) sede, ainda em obras, mas pronta para festejar os 20 anos.

"Um regresso às origens, até porque o Héritage Café era mesmo ao virar da esquina [da Real Vinícola]." Assim será o concerto de mais logo, da Orquestra Jazz de Matosinhos, a assinalar os 20 anos de atividade da big band, avança Pedro Guedes. Ou, nas palavras de Carlos Azevedo, com quem partilha a direção musical, "vai ser um concerto vintage". O repertório escolhido explica o porquê: "Fomos ao fundo do baú buscar as primeiras músicas que tanto eu como o Pedro escrevemos para orquestra, as músicas que tocávamos no Héritage Café." Foi nesse café que primeiro mostraram o seu swing, no final de janeiro de 1997 numa altura em que a formação se chamava... Héritage Big Band.

O café já fechou, mas a big band continua e hoje dá o primeiro concerto na sua nova (e primeira) sede. "Esta é uma grande prenda que a Câmara Municipal de Matosinhos nos está a dar", diz Pedro Guedes, ao telefone com o DN, durante o ensaio de ontem, ainda na Casa da Música, no Porto, espaço onde ensaiam desde 2005, ao abrigo de um protocolo que os leva a apresentar três espetáculos por ano na emblemática sala.

Aliás, esse protocolo "obrigou" a uma das grandes mudanças da orquestra nestes 20 anos: deixar de ser apenas uma orquestra de autor, que interpreta temas originais, passando a interpretar repertório de outros compositores, nacionais e internacionais.

Um passo importante, sobretudo no sentido da internacionalização, que já levou estes cinco saxofones, quatro trombones, quatro trompetes, piano, bateria e baixo a salas tão emblemáticas como o Carnegie Hall ou o lendário clube nova-iorquino Blue Note.

"É claro que é importante tocar nessas salas. Mas mais importante é conseguirmos aquilo que pretendíamos quando formámos a orquestra: a nossa intenção era que fosse estrutural e se pudesse comparar com as orquestras do mesmo género a nível internacional", explica Pedro Guedes. Com o sentimento de missão cumprida, a Orquestra Jazz de Matosinhos, denominação ganha no ano seguinte à fundação, está a entrar numa nova fase. Isto porque, explica, não se trata apenas de uma sede: "Vamos ter um espaço para ensaiarmos sempre que quisermos, e onde podemos gravar. Vai ser a nossa sala de cirurgia, um espaço de experimentação."

O espaço na Real Vinícola permite ainda reforçar as atividades do serviço educativo já desenvolvido com as escolas do concelhos e realizar residências artísticas.

As atuações previstas para este ano passam pela apresentação de um programa de compositores portugueses na Casa da Música (11 de maio), um espetáculo com Sérgio Godinho no São Luiz, em Lisboa (17 de junho), e uma atuação com a cantora norte-americana Rebecca Martin, na Casa da Música (30 de novembro). Nesse mesmo mês, a big band de Matosinhos apresenta-se pelo quarto ano consecutivo no Voll-Damm Festival Internacional de Jazz de Barcelona.

Com menos impacto junto do público, mas de igual importância para a orquestra, é a organização do simpósio internacional Computer Music Multidisciplinary Research, porque, explica Pedro Guedes, "o computador tornou-se um instrumento e nós também nos preocupamos com estas coisas". Mais uma vez, algo possível apenas graças à nova sede. Que ainda está em obras e, por isso mesmo, será num ambiente ainda de estaleiro que, pelas 21.30, a Orquestra regressa às suas primeiras composições, quase no mesmo local onde tudo começou há 20 anos.

Informação útil

Orquestra jazz de Matosinhos

Hoje, às 21.30

Real Vinícola, Av. Menéres, Matosinhos

Entrada livre. Marcação de presença através do e-mail info@ojm.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.