"1984", de George Orwell, volta aos tops

Vendas do livro de George Orwell aumentaram após declarações sobre "factos alternativos" de conselheira de Donald Trump

A obra 1984, de George Orwell, publicada pela primeira vez em 1949, chegou ao primeiro lugar no top de livros mais vendidos da Amazon esta quarta-feira. Nos últimos dias, as vendas já tinham sido suficientes para levar o título às primeiras 20 posições.

A súbita popularidade do livro não é alheia à chegada de Donald Trump à Casa Branca. Acontece depois de Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca, ter afirmado aos jornalistas que a cerimónia de tomada de posse do presidente dos EUA foi a mais vista de sempre, embora as imagens digam o contrário, e depois de a conselheira do presidente dos EUA Kellyane Conway ter argumentado que eram "factos alternativos", numa entrevista à NBC.

O entrevistador Chuck Todd alegou que "factos alternativos" são "falsidades" e as declarações da conselheira foram alvo de análise por parte da repórter Karen Tumulty, do Washington Post, que fez o paralelo com a obra de Orwell. "Isto traz-nos ao duplopensar de 1984 onde guerra é paz, onde fome é fartura. É o que está a acontecer aqui", acrescentou o historiador político Allan Lichtman também na CNN.

1984 foi publicado pela primeira vez em 1949 e passa-se no que na altura era o futuro. Ficciona uma sociedade totalitária, denominada Oceania, onde a liberdade de pensamento é limitada, se fala um idioma próprio -- a novílingua - e a vigilância do Big Brother está em todo o lado.

George Orwell é pseudónimo de Eric Blair, britânico nascido em Motihari, na Índia Britânica, em 1903, e educado no colégio Eton, em Londres. 1984 foi escrito entre 1947 e 1948, na Escócia, quando recuperava de uma tuberculose.

O livro tornou-se uma obra de referência da literatura do século XX (e um dos 100 melhores em língua inglesa segundo a revista Time). É de leitura obrigatória na maioria das escolas norte-americanas, frisa a CNN. O que não chega para explicar a repentina popularidade, que, de resto, não é inédita. Aconteceu em 2013, após as revelações de Edward Snowden sobre o programa de vigilância da Agência de Segurança Nacional, conhecida pela sigla NSA.

Partilhando os primeiros lugares no pódio da Amazon esta quarta-feira estão Tools of Titans, de Timothy Ferriss e Gosnell: The Untold Story of America's Most Prolific Serial Killer, e obras que deram origem a filmes nomeados para os Óscares, como A Man Called Ove, de Frederik Backman, e Hidden Figures: The American Dream and the Untold Story of the Black Women Mathematicians Who Helped Win the Space Race, de Margot Lee Shetterly.

Em Portugal, as palavras de Kellyanne Conway não chegam para fazer aumentar as vendas do romance de George Orwell, editado pela Antígona, como mostram as listas de livros mais vendidos da Fnac e Wook. Pelo menos, para já.

Ler mais

Exclusivos