180 estrelas com mais ou menos brilho no Comic Con

Com a estreia do novo episódio de Star wars em pano de fundo, Matosinhos torna-se de hoje até domingo uma paragem obrigatória para os habitantes da nossa galáxia com a Comic Con.

Até à última hora a organização do Comic Con Portugal está a anunciar novas presenças a somar a um número previsto de estrelas de séries televisivas, banda desenhada e literatura fantástica, entre outros géneros, que ultrapassa os 180 nomes. Os dois protagonistas mais recentes a marcar presença são os atores Clark Gregg e Simon Merrells, respetivamente conhecidos pelos papéis na série Agents of S.H.I.E.L.D. e Spartacus.

O evento tem início hoje e prolonga-se até domingo, e poderá ser o último a realizar-se em Matosinhos, cidade que tem sido a anfitriã do Comic Con até esta quarta edição. Uma decisão que ainda não está tomada e que será revelada no fim, sendo Lisboa a provável próxima localização. Em causa está, principalmente, a melhoria de condições logísticas para novas edições e mais oferta hoteleira e acessibilidade. Diga-se que a autarquia de Matosinhos contribui financeiramente com 100 mil euros para a iniciativa que no ano passado levou ao recinto da Exponor mais de 70 mil pessoas.

Os nomes mais sonantes, por serem do cinema e das séries televisivas, são muitos. Edward James Olmos é um deles, pois interpretou 35 anos depois em Blade Runner 2049 a mesma personagem que o tornou conhecido na primeira versão deste filme, mesmo que a sua carreira esteja muito para além desta participação, como foi o papel do comandante William Adama em Battlestar Galactica na televisão. Olmos tem uma história curiosa: "Comecei a representar para me tornar um melhor cantor. E isso transformou a minha vida. Descobri que a palavra falada é mais fácil de projetar do que a palavra cantada".

Atores não faltarão portanto, designadamente com projeção no pequeno ecrã. É o caso da portuguesa Daniela Ruah que tem um dos papeis principais na série NCIS: Los Angeles com a agente especial Kensi Blye; ou a atriz Kirsten Vangsness, conhecida pela personagem Penelope Garcia em Mentes Criminosas; Katherine McNamara, a Sonya da série Maze Runner, bem como Madison Iseman que interpreta Bethany em Jumanji. Outro dos rostos conhecidos é Dominic Purcell, o ator da série Prison Break, que lhe deu reconhecimento mundial.

A presença das séries televisivas será grande, sendo que a partir de hoje pode ser vista em antestreia o primeiro episódio de Colony, mas há outras áreas com forte presença. É o caso do Espaço Star Wars, que aproveita o lançamento hoje do VIII episódio da saga de George Lucas, sem esquecer a exibição do Batmobile utilizado no novo filme Liga da Justiça.

A banda desenhada será outra das principais atrações, pois não faltam autores importantes e novos nomes nesta área que estão a fazer sucesso com as suas criações. O mais importante da BD franco-belga é Hermann, mas está também o português Filipe Melo, o turco Mahmud Asrar de Wolverine, o brasileiro Rafael Albuquerque de Batman, ou Giorgio Cavazzano de Angry Birds, por exemplo. Ou Andrzej Sapkowski da saga The Witcher e Claire North de Harry August.

Outro dos momentos mais divertidos deste Comic Con é a convivência constante com cosplays, havendo um concurso para os melhores que recriam inúmeras personagens de filmes, banda desenhada, TV e jogos de vídeo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.