1000 páginas de Ruy Cinatti destacam-se entre novidades

Luis Sepúlveda, William Faulkner, Richard Ford, Ruy Belo, Francisco José Viegas e Richard Zimler são algumas das novidades que a Porto Editora anuncia.

O responsável da área de Literatura do grupo editorial, Manuel Valente, vaticinou que uma das novidades deste semestre é um sério candidato ao Nobel deste ano. Trata-se de Richard Ford, que regressa com o romance Francamente, Frank, onde o icónico protagonista Frank Bascombe também está de volta. Deu ainda relevo ao novo ensaio de Walter Isaacson, o biógrafo de Steve Jobs, que vai ter traduzida a obra, Os Inovadores, que promete polémica por tratar dos que 'inventaram' o mundo do computador e da Internet desde 1840.

Não foi o único a elogiar as novidades das várias chancelas da Porto Editora, pois Vasco David, da Assírio & Alvim, destacou a edição especial de Ruy Cinatti com mais de mil páginas, Poesia, que reúne toda a obra publicada em vida. Aliás, a poesia vem em força neste ano de 2016 com Ruy Belo, Tolentino Mendonça, Luís Filipe Castro Mendes, Daniel Jonas, bem como o até agora nunca traduzido poeta Kabir, e novos títulos de Almada Negreiros e Fernando Pessoa.

Também a responsável editorial da literatura da Porto Editora, Cláudia Gomes, elencou as novidades, entre as quais, uma recolha de pequenos textos do malogrado Luís Miguel Rocha, Curiosidades do Vaticano, bem como o manual Canja de Galinha para a Alma de Jack Caufield, e reedições como A Máquina de Fazer Espanhóis de Valter Hugo Mãe.

Na Livros do Brasil, a editora São José Sousa confirmou várias edições de Hemingway, Steinbeck e de Faulkner, algumas delas inéditas em língua portuguesa como são, respetivamente, As Torrentes da Primavera, Viagens com o Charley e A Cidade. Entre os outros dos títulos que referiu está uma coletânea de contos de James Salter.

Entre os lançamentos da Sextante, João Rodrigues deu ênfase ao testemunho pessoal de Ana Zanatti sobre a homossexualidade no livro O Sexo Inútil, o Histórias Curtas de Rubem Fonseca ou A Rota da Porcelana de Edmund de Wall.

Na literatura infantil, a editora Sandra Lopes destacou a reedição de várias obras de Maria Alberta Menéres, da coleção Espreita e de novos volumes de autoria de David Walliams.

Na Coolbooks, o editor Vítor Gonçalves referiu as novidades de Alexandra Pinto, Fernando P. Fernandes e Carlos Soares, entre outros títulos.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.