10 Factos sobre a exposição de joias goesas no MNAA

É uma coleção única de joias que combinam a cultura europeia e a hindu. Saíram de Goa em latas de bolachas, de cigarros ou rebuçados em 1961, foram reabertas em 2011 e podem ser vistas a partir de hoje, às 18.30, no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

1. São 392 objetos de joalharia dos séculos XVIII e XX que estiveram fechados durante 50 anos nos cofres do Banco Nacional Ultramarino e, mais tarde da Caixa Geral de Depósitos. "Reflete esse encontro entre o mundo hindu e o mundo cristão", diz Luísa Penalva, conservadora de ourivesaria do Museu Nacional de Arte Antiga, e comissária da exposição "Esplendores do Oriente", com Anísio Franco, também conservador do MNAA.

2. "Nunca vimos nada assim", diz Luísa Penalva. "O [museu] Victoria & Albert, em Londres, disse-me que nunca tinha visto algo semelhante, é um país com grandes ligações à Índia", nota. A supresa continuou quando o museu questionou a especialista em joalharia indiana Usha R. Bala Krishnan. "Não conheciam estas tipologias", conta a conservadora.

3. A sua história dava um filme: no dia 12 de dezembro de 1961, perante a iminente invasão das tropas indianas, o gerente do BNU Jorge Esteves Anastácio envia de Goa para Lisboa um espólio de mais de meia tonelada no navio Índia. A maior parte foi devolvida à procedência, com louvores do State Bank of India, com o restabelecimento das relações diplomáticas entre Portugal e a Índia, em 1991.

4. O que fica não tem dono. É fruto de contrabando, roubo, penhora, arresto. Ficou nos cofres da Caixa Geral de Depósitos e foi aberto, simbolicamente, a 12 de dezembro de 2011, 50 anos após a expedição.

5. O acervo, agora doado ao MNAA pela Caixa Geral de Depósitos, mecenas deste projeto, estava guardado em caixas de madeira com outras muitas latas e caixinhas dentro. "Caixas de bolachas, de rebuçados, de cigarros, saquinhos", enumera Luísa Penalva. "Tudo selado", há pelo menos 50 anos (algumas há mais), acrescenta Anísio Franco. Refeito o inventário, seguiu para o Laboratório José de Figueiredo. "Nós trouxemo-las à luz, mas o restauro deu-lhes vida", iz Luísa Penalva.

6. Joias para usar no cabelo, tiaras--pente, colares, pulseiras, brincos. A variedade é imensa, as tipologias novas. "Olhávamos para o inventário e não sabíamos para que servia", lembra Luísa Penalva, representante do então Instituto dos Museus e Conservação, com Anísio Franco, no grupo de trabalho pelo Ministério das Finanças para avaliar este património do Banco Nacional Ultramarino (BNU).

7. Existe muito pouca informação sobre estas joias e a sua forma de usar. Os comissários chegaram a seis quadros da antiga coleção Alpoim Galvão e a dois livros escritos por portugueses: um de Manuel da Cunha Maldonado, do final do século XIX e outro de Bragança Pereira, de 1940, onde estas peças eram descritas com detalhe.

8. Os objetos deste tesouro eram usados sobretudo por mulheres na sociedade altamente hierarquizada de Goa, e sempre da cintura para cima. Nos pés, perto do chão, apenas se usava prata, metal que nunca apareceu aos investigadores nestas caixas. Trata-se sobretudo de tiaras-pente, afogadores com a imagem do menino Jesus, anéis e pulseiras de vários tipo.

9. "Uma mulher hindu usava duas joias, a cristã três", realça Luísa Penalva. "As mulheres nunca abandonavam completamente o hinduísmo." Símbolos de uma religião convivem com os da outra. Quando se casa e se converte ao cristianismo, a mulher hindu mantém algumas tradições.

10. "Esplendores do Oriente" pode ser vista até 7 de setembro e está a ser solicitada por museus internacionais e será editado um catálogo bilingue (português e inglês).

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.