Honras de Panteão a Sophia de Mello Breyner no DR

Os restos mortais da escritora Sophia de Mello Breyner Andresen vão ter honras de Panteão Nacional, de acordo com uma resolução publicada hoje em Diário da República.

No ano em que se assinalam os dez anos da morte da escritora portuguesa, e os quarenta anos do 25 de Abril, a Assembleia da República decidiu, após todos os partidos com assento parlamentar terem assinado um projeto de resolução conjunto, conceder honras de Panteão Nacional aos restos mortais Sophia de Mello Breyner Andresen.

De acordo com o documento, vai homenagear-se "a escritora universal, a mulher digna, a cidadã corajosa, a portuguesa insigne".

A resolução da Assembleia da República revela também que será constituído um grupo de trabalho, composto por representantes de cada grupo parlamentar para determinar a data, definir e orientar o programa de trasladação, em articulação com as demais entidades públicas envolvidas.

No início de janeiro, a rádio TSF noticiava que existia um acordo entre todos os partidos do parlamento para a trasladação do corpo da escritora para o Panteão Nacional, numa altura em que se falava da atribuição das mesmas honras ao antigo futebolista Eusébio.

Nessa altura, Maria Andresen, uma das filhas da escritora, afirmou à Lusa que a traslação da poeta para o Panteão constitui "uma homenagem importante".

Maria Andresen disse que a homenagem seria particularmente importante acontecer no dia 25 de Abril, quando a revolução de 1974 cumpre 40 anos: "Ela esteve sempre ao lado das pessoas exploradas e das lutas pelos direitos humanos. Numa altura destas, em que se sacrifica tanto as pessoas, é importante evocá-la."

Nascida no Porto, Sophia de Mello Breyner Andresen, de origem dinamarquesa pelo lado paterno, foi a segunda mulher a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa, o Prémio Camões, em 1999.

A escritora foi cofundadora da Comissão Nacional de Socorro aos Presos Políticos, durante a ditadura, e, após o 25 de Abril, foi eleita deputada à Assembleia Constituinte.

A efeméride dos dez anos da morte e a ideia da trasladação foi abordada num texto de opinião, publicado em dezembro do ano passado, no jornal Público, da autoria de José Manuel dos Santos, diretor cultural da Fundação EDP.

No projeto de resolução, os deputados escreveram ainda: Para a escritora, "a intervenção política fez-se sempre por imperativos morais e poéticos". "Até ao fim, a sua voz disse as palavras da sua vida: liberdade, justiça, beleza, poesia, dignidade, esperança".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.