Homem-Aranha tem de ser "branco e heterossexual"

Foram divulgados os requisitos da Marvel para a adaptação do super-herói ao cinema. Entre as muitas exigências, o Homem-Aranha não pode torturar e quanto à linguagem... nada de asneiras.

O ataque informático à Sony Pictures no ano passado continua a ter repercussões. Agora foram revelados os requisitos da Marvel para a passagem do Homem-Aranha da banda desenhada para o cinema. E não são poucos. Destacam-se logo as exigências que tanto Peter Parker como o seu alter ego têm de ser de raça branca e heterossexuais.

Segundo o jornal espanhol ABC, a WikiLeaks revelou esta semana vários documentos privados que mostram as exigências acordadas entre a Sony Pictures e a Marvel em 2011. O Homem-Aranha deve então ser um verdadeiro exemplo: não pode fumar, nem exagerar nas bebidas alcoólicas, nada de drogas, nem relações sexuais com menores de 16 anos, nem antes de ele próprio ter 16 anos. Na sua eterna luta contra o mal, não pode torturar e só poderá matar se for em legítima defesa ou para defender terceiros. E cuidado com as asneiras, a linguagem utilizada nos filmes tem de ser adequada para adolescentes de 13 anos.

No acordo ficou ainda determinado que a história de Peter Parker é para ser respeitada, ou seja, foi criado pelos tios em Nova Iorque e os seus poderes surgem após ser mordido por uma aranha quando está na universidade.

Estas exigências da Marvel têm como objetivo garantir que adaptações dos "comics" sejam o mais fiéis possíveis. Em 2017 deverá surgir um novo filme do Homem-Aranha, faltando saber quem irá suceder a Tobey Maguire e Andrew Garfield no papel do super-herói.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.