Há mais museus portugueses que todo o mundo pode visitar virtualmente

O Museu Calouste Gulbenkian e mais exposições do Museu São Roque estão entre as novas mil ofertas do Google Cultural Institute, que esta quinta-feira celebrou cinco anos

Ao comemorar cinco anos, o Google Cultural Institute, que nos permite, em qualquer ponto do mundo, visitar "As Maravilhas do Machu Picchu", no Peru, ou o British Museum, em Londres, incluiu novos museus e instituições de todo o mundo, novas coleções de imagens em Street View e novas imagens em gigapixel (enorme resolução).

A nova expansão da plataforma que começou com uma parceria de 17 museus e agora conta exposições ou obras de mil instituições, incluiu Portugal, de que agora fazem parte o Museu Gulbenkian, novas obras do Museu de São Roque e três novas exposições da Universidade do Porto. Atualmente, cem museus internacionais trabalham ainda para integrar as suas coleções no Google Cultural Institute.

A plataforma começou com 17 museus, hoje conta mil

A exposição do Museu Calouste Gulbenkian que agora pode ser vista em qualquer ponto do mundo conta com quadros de Rubens, Anton van Dyck, Henri Fantin-Latour, Édouard Manet ou Pierre-Auguste Renoir, e artefactos, obras e objetos do antigo Egito - como uma máscara funerária -, da Pérsia ou da Grécia antiga.

O Museu de São Roque, que já estava presente na coleção do Google Cultural Institute, tem três novas exposições: a Capela de São João Baptista e o seu tesouro, que conta com um conjunto de paramentos litúrgicos, missais; "A Vida de São Francisco Xavier" composta pela Sacristia de São Roque, importante simbólica e artisticamente por ser uma das primeiras sacristias construídas pela Companhia de Jesus e "As relíquias e os relicários de São Roque", maioritariamente doados também pela Companhia nos séculos XIV e XVII.

Quanto à Universidade do Porto, é agora possível percorrer as artes tradicionais portuguesas através da sua mostra da renda de bilros ou da arte sineira. A isto acresce uma aplicação para telemóvel, que tal como as outras exposições é bilingue, e permite visitar várias exposições virtuais criadas pelos estudantes da universidade.

O património português estende-se assim na plataforma que agora permite também descer a em Street View a rotunda do Museu Guggenheim de Nova Iorque, EUA, ou visitar o Palácio do Parlamento da Roménia, em Bucareste.

Outra das novas ofertas do Google Cultural Institute é a possibilidade de ver em gigapixel as pinturas de Claude Monet que integram a coleção do Young Museum, em São Francisco, EUA, e das quais conseguimos assim ver os pormenores de cada pincelada.

No comunicado que dava conta do alargamento do acervo, o diretor do Google Cultural Institute, Amit Sood, afirmava: "As visitas virtuais não substituem as visitas reais aos espaços, mas a tecnologia pode abrir novos horizontes e incrementar o conhecimento pela cultura a todas as pessoas, o que se transforma em algo realmente poderoso."

Exclusivos

Premium

Liderança

Jill Ader: "As mulheres são mais propensas a minimizarem-se"

Jill Ader é a nova chairwoman da Egon Zehnder, a primeira mulher no cargo e a única numa grande empresa de busca de talentos e recursos. Tem, por isso, um ponto de vista extraordinário sobre o mundo - líderes, negócios, política e mulheres. Esteve em Portugal para um evento da companhia. E mostrou-o.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.