Guilherme Gomes: o Hamlet de 22 anos

Criou um site de poesia e deu nas vistas em concurso da SIC. Hoje sobe ao palco do Festival de Teatro de Almada com a companhia de Teatro da Cornucópia

Quando disse aos pais que gostava de ir para o Conservatório e estudar Teatro, o pai, compreensivo, disse-lhe: "Se é esse o teu sonho, deves ir." Guilherme discordou. "Ser ator não era o meu sonho. Era o meu objetivo. Para mim um sonho era viajar com a Marylin Monroe num descapotável. Fazer teatro era outra coisa. Era algo que eu queria mesmo fazer." E conseguiu. Aos 22 anos, Guilherme Gomes prepara-se para interpretar o papel de Hamlet, dirigido por Luís Miguel Cintra, com estreia marcada para hoje no Festival de Almada.

Guilherme não consegue identificar exatamente como começou a sua paixão pelo teatro. Quando era pequeno, em Viseu, os pais levavam-no muitas vezes para ver espetáculos no Teatro Viriato. "Às vezes até coisas que não eram muito adequadas à minha idade, acho. Lembro-me de ter visto peças que me marcaram e outras que me assustaram, cheguei a ter medo de ir ao teatro." Uma das primeiras memórias que tem dessas idas ao teatro é de, um dia, ser puxado do público para o palco: "Puseram-me um penico na cabeça e ali fiquei." Mais tarde, participou no Panos, uma iniciativa da Culturgest que põe dramaturgos e encenadores a trabalhar com jovens, e lembra-se de muitos workshops com Graeme Pulleyn. Mas o teatro não era ainda importante na sua vida. "Era um exercício, ajudou-me a ter mais concentração na escola. Mas não foi uma paixão avassaladora, foi gradual."

Leia toda a história na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG