Gregório Duvivier convida os fãs para passar "Uma Noite na Lua"

Humorista brasileiro, do Porta dos Fundos, apresenta espetáculo em digressão em Portugal

Após uma digressão de sucesso em outubro, o ator e humorista brasileiro Gregório Duvivier está de volta a Portugal com o monólogo Uma noite na Lua, uma peça do autor brasileiro João Falcão, estreada na década de 1990, e que Duvivier recuperou em 2012, tendo feito apresentações sucessivas no Brasil.

Gregório Duvivier é conhecido dos portugueses através do coletivo de humor Porta dos Fundos, do qual é um dos idealizadores e integrantes, projeto que teve início em 2012 com curtos episódios de humor num canal do YouTube e que se tornou um dos casos mais sérios do humor em português.

Além de humorista, é também escritor. Em outubro passado, lançou o seu primeiro livro em Portugal, Caviar é uma Ova que reúne ficções, crónicas e relatos do autor brasileiro. No Brasil, Gregório Duvivier já publicou os livros de poesia A partir de amanhã eu juro que a vida vai ser agora e Ligue os pontos - poemas de amor e big bang, assim como o de crónicas Put some farofa.

No Porta, mas também nas suas crónicas, Duvivier tem sido muito crítico do impeachment da presidente do Brasil, Dilma Roussef, como explicou em entrevista esta semana ao DN:

Em Uma noite na Lua, o humorista e guionista brasileiro - nascido em 1986 numa família do meio artístico - interpreta o papel de um autor angustiado com a criação de uma peça, com a qual pretende reconquistar uma mulher, Berenice. De acordo com Gregório Duvivier, Uma noite na Lua é um texto "que emociona e faz rir ao mesmo tempo e é muito difícil quando as coisas conseguem estar nesse meio lugar, do drama e da comédia (...), porque são tidos como incompatíveis".

Duvivier vai apresentar o espetáculo em Guimarães (dia 13 de maio), Covilhã (14), Lisboa (de 18 a 22), Matosinhos (24), Braga (25), Porto (26), Póvoa do Varzim (27), Ourém (28), Sintra (2 de junho), Oliveira de Azeméis (dia 3), Coimbra (4) e Castelo Branco (5).

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.