Fernando Pessoa está em todas as esquinas de Lisboa

Os Dias do Desassossego começam hoje para unir a Fundação Saramago à Casa Fernando Pessoa.

A placa no número 44 do Largo de São Carlos assinala o local de nascimento de Fernando Pessoa, a 13 de junho de 1888. É aqui o ponto de encontro do roteiro "A Lisboa de Fernando Pessoa" que acontece no sábado, dia 21, às 10.00. Tem 13 paragens previstas, três horas de percurso a pé (e de elétrico) e é uma das propostas do programa "Dias do Desassossego", que começam hoje, dia em que José Saramago faria 93 anos, e terminam no dia 30 de novembro, dia em que passam 80 anos da morte de Fernando Pessoa. O programa une a Casa dos Bicos, sede da Fundação Saramago, à Casa Fernando Pessoa, em Campo de Ourique.

A cada paragem corresponde um poema. "Ó Terras de Portugal, Ó terras onde eu nasci, por muito que goste delas, inda gosto mais de ti." "É o primeiro que Pessoa escreveu, aos 7 anos, a propósito da sua mudança para a África do Sul, com a família." Cláudia Leal dá os dados biográficos. Ela e o irmão, Tiago, são a Miss Lisbon, criadores de roteiros para conhecer Lisboa a pé. "A Lisboa de Fernando Pessoa" foi buscar o nome a um livro homónimo de Marina Tavares Dias, e foi a sua inspiração.

Pessoa tinha 4 anos quando se mudou para outra casa, "mais modesta", após a morte do pai. Quando a mãe volta a casar-se, mudam-se para Durban. O Largo de São Carlos marcou-o. "O sino da minha aldeia é o da Igreja dos Mártires", escreveu. Foi aí que o batizaram a 21 de julho de 1888.

A viagem segue Rua Garrett abaixo, depois subindo a Calçada do Sacramento até ao Largo do Carmo, para chegar a uma das 16 casas em que viveu. Na descida é obrigatório passar pela Brasileira. "Toda a gente quer tirar uma fotografia com o Pessoa", diz Tiago Leal. E também faz parte do roteiro "O Ano da Morte de Ricardo Reis", que acontece a 28 de novembro, às 14.00, e que passa por todos os locais da história escrita por José Saramago.

Nunca lhe faltou trabalho

Na Baixa percorrem-se os locais de trabalho. Um deles, com vista para o Tejo, fica na Rua do Ouro, n.º 87, onde está a placa que assinala a passagem do ilustre funcionário, em 1918-1919, na firma de "comissões e consignações".

Rua Augusta acima, Cláudia Leal relembra que Pessoa "nunca teve dificuldade em encontrar trabalho. Sabia escrever e falava inglês. Trabalhou como secretário, como tradutor, como correspondente comercial". E chegamos à Rua da Assunção, n.º 42, um lugar mais do que um escritório. Foi aqui que conheceu Ofélia, o único amor que lhe é atribuído.

Ofélia e Abel

Mantiveram uma intensa troca de cartas nos dois momentos do romance: entre março e novembro de 1920; e quase dez anos depois, entre setembro de 1929 e janeiro de 1930. Foi sempre ele quem terminou o namoro.

A caminho da Tasca Abel, que teria um papel determinante no reatar do romance, fica um dos restaurantes que o escritor mais frequentou, Pessoa. O nome é coincidência. Fica na Rua dos Douradores, aquela a que o heterónimo Bernardo Soares dedica linhas no Livro do : "Esta Rua dos Douradores compreende para mim todo o sentido das coisas, a solução de todos os enigmas, salvo o existirem enigmas, que é o que não pode ter solução."

A antiga tasca é agora um prédio abandonado com licença para obras. Restam a fachada e um "selo" de mármore dos vinhos Abel Pereira da Fonseca. A fotografia do escritor ao balcão a beber um copo de vinho é das mais emblemáticas de Pessoa. A legenda, não menos famosa, "flagrante delitro" foi escrita para Ofélia, a quem chamava "bebé fera" na carta escolhida para ler neste local. Diz-se que Pessoa morreu de cirrose, um mito que a sobrinha tem procurado contrariar. Tinha também o hábito de pôr os nervos em franja aos médicos: fumava 80 cigarros por dia.

Na Rua da Prata ficava a Ourivesaria Moutinho. Pessoa trabalhou nos seus escritórios, no 1.º andar, com vista para a Rua da Conceição. "Os investigadores dizem que pode ter sido aqui que escreveu o poema Tabacaria." No prédio em frente, hoje emparedado, ficava a Havaneza. A funcionar também como agência de publicidade, foi aqui que nasceu o slogan "Primeiro estranha-se, depois entranha-se", da Coca-Cola.

À mesa do Martinho da Arcada

A ourivesaria foi o local onde trabalhou mais tempo (1924 a 1933), quando já morava na casa da Coelho da Rocha, última paragem desta visita, depois de espreitar o Hospital São Luís dos Franceses, onde morreu em 1935 (faz parte do roteiro habitual, deverá sair no sábado, afim de abreviar o percurso). Deslocava-se no elétrico 28 e frequentava o Martinho da Arcada, no Terreiro do Paço, que mantém intacta a mesa habitual do poeta. Está em todos os guias e é obrigatório também quando se passeia pela cidade "O Ano da Morte de Ricardo Reis" (as 40 inscrições possíveis estão feitas).

Pela mão de Saramago

Este passeio literário revive a história do livro de José Saramago, de 1984, o primeiro livro que Pilar del Río leu do escritor. O Cais das Colunas é o ponto de encontro, com as primeiras páginas do livro abertas (a obra começa no Cais de Alcântara, mas foi necessária a troca para poupar tempo). Delas sai o contexto do passeio: Ricardo Reis, que fora viver para o Brasil, segundo os escritos de Pessoa, regressa após a morte do escritor, em 1935. Passa-se nos nove meses seguintes, aqueles que, segundo Saramago, se demora a fazer o luto (o mesmo que se tarda em nascer). "Vamos lendo o trecho correspondente", explica Cláudia Leal.

No cais, Ricardo Reis entra num táxi e pede para ir para um hotel. "Perto do rio, só se for o Bragança, ao princípio da Rua do Alecrim, não sei se conhece", recomenda o condutor. O hotel existia em 1935, mantém a função mas não o nome. Fica na Praça Duque da Terceira, Cais do Sodré.

As musas Lídia e Marcenda

A história leva-o à Rua Nova do Carvalho, que o protagonista vê da janela da cozinha do hotel. A mesma onde vê pela primeira vez Lídia e a jovem Marcenda, que está hospedada no hotel com o pai. Há 80 anos, a rua não era cor-de-rosa (mas vai receber programação de "Dias do Desassossego", mantém-se porém inscrito na pedra o anúncio à Clínica de Ojos, a que a personagem faz referência.

Ricardo Reis troca dinheiro na Rua do Comércio, virá a arranjar trabalho num edifício do Largo de Camões. Aquele em que se vê o autor de Os Lusíadas de costas, como vem descrito no texto. A Rua Áurea (ou do Ouro) leva Ricardo Reis até ao Rossio, onde a personagem come um bife no Martinho antes do início de um espetáculo. Marcenda Sampaio, por quem se apaixona, também lá está. "Vão encontrar-se frente a frente daqui a pouco."

Saramago fez uma pesquisa intensa para o livro, leu os jornais da época, sabe-se que foi um ano anormalmente chuvoso. Os detalhes são contados por Ricardo Viel, da Fundação Saramago, a propósito do ambiente "húmido" do livro. A viagem continua pelo Alto de Santo Catarina, onde Ricardo Reis aluga uma casa, passa pelo Adamastor e termina na Casa dos Bicos, como a de Pessoa termina na sua última casa. Em ambas, decorre "Dias do Desassossego".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?