E se os artistas plásticos tocassem cavaquinho?

Júlio Pereira pediu a 70 artistas plásticos para transformarem 70 cavaquinhos em obras de arte.

Uma pequena bailarina a girar devagarinho sobre um cavaquinho transformado em caixa de música - esta é a proposta da artista Joana Astolfi. Sofia Rebelo criou um cavaquinho gótico, Marta Madureira fez colagens em papel sobre madeira, João Barros Moura usou tricot, Gil Maia preferiu o pastel. No total são 70 os cavaquinhos que 70 artistas transformaram em obras de arte e que vão estar expostos, a partir de quinta-feira no antigo refeitório do Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa.

A ideia partiu do músico Júlio Pereira, que é também o fundador, presidente e grande impulsionador da Associação Cultural Museu Cavaquinho, apresentada ao público no início do ano e já a trabalhar a todo o gás - pelo menos, tanto quanto é possível para uma associação sem fins lucrativos e sem funcionários, que vive do entusiasmo de todos os que gostam e trabalham com este instrumento.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.