"É humilhante." O Teatro levanta a voz aos apoios da DGArtes

39 companhias não obtiveram financiamento no concurso da Direção-Geral das Artes para 2018-2021 a que se apresentaram 80 estruturas. O Teatro Experimental de Cascais, de Carlos Avilez, e a Casa Conveniente, de Mónica Calle, são alguns dos excluídos. Duas capitais de distrito, Évora e Coimbra, ficam sem verbas. Companhias reúnem-se amanhã em Lisboa para discutir soluções

"Esta decisão é para mim humilhante. Já não é só o dinheiro, os postos de trabalho que estão em risco, e a escola que está em risco, é a forma como estamos a ser tratados neste momento; contrariamente à posição do senhor Presidente da República, que nos condecorou [como Membro Honorário da Ordem do Mérito] há dias. Claro que não vou desistir. Vou recorrer. Mas não sei como, porque acho-me profundamente humilhado, é uma grande falta de respeito por todos nós, e pela minha classe." Quando falou com o DN, Carlos Avilez havia já pedido para ser recebido pelo primeiro--ministro, António Costa, na véspera. O diretor do Teatro Experimental de Cascais (TEC), uma das 39 estruturas que ficaram sem financiamento da Direção-Geral das Artes (DGArtes) para o período de 2018 a 2021, falava de um "ataque". Horas depois, Diogo Infante publicava no Instagram letras brancas em fundo negro anunciando que hoje, dia em que Avilez comemora 62 anos de carreira, a entrada no espetáculo As You Like It do TEC é gratuita. "Venham todos, venham muitos!" era o repto.

Eram 89 as estruturas no Concurso ao Programa de Apoio Sustentado da DGArtes, que optou por apoiar apenas 50. A Mala Voadora encabeça a lista, seguida de companhias como a Teatro Praga, Companhia de Teatro de Almada, Artistas Unidos, O Bando, Companhia de Teatro de Braga, Companhia de Teatro do Algarve, a Comuna ou o Teatro Aberto.

As redes sociais enchiam-se de protestos perante os excluídos, ontem, dia após a publicação dos resultados no site da DGArtes. Já está marcada uma reunião para hoje às 17.00 no Centro de Artes de Lisboa, que convoca as companhias financiadas e não financiadas para discutirem entre si soluções possíveis.

O recurso dos resultados pode ser apresentado até 13 de abril e a decisão deverá ser conhecida entre o final de abril e o início de maio.

Duas capitais de distrito, Coimbra e Évora, ficam sem apoio ao teatro: O Teatrão e Escola da Noite, de Coimbra, a par do Centro Dramático de Évora, A Bruxa Teatro e É Neste País - Associação Cultural não receberam financiamento. Entre as 39 estruturas fora do concurso contam-se ainda o Teatro das Beiras, da Covilhã, o Teatro Experimental do Porto e, na mesma cidade, o Festival Internacional de Marionetas, além do Teatro de Animação de Setúbal, a associação GRIOT, a Chão de Oliva e a Casa Conveniente.

Elsa Valentim, do Teatro dos Aloés, outra das companhias não financiadas, escrevia ontem na sua página de Facebook: "O percurso, a programação apresentada, o público que espera pelo próximo espetáculo, as equipas artísticas e técnicas que ficam sem trabalho, nada disso importa? Importa o quê? Ter usado as palavras certas para ter boa nota na redação? Querem saber o nome de quem vai desmontar o cenário porque sem essa informação não conseguem aferir?" O coro de críticas contava com nomes como Jorge Silva Melo, Maria Rueff , Cucha Carvalheiro ou Eugénia Vasques.

"É uma companhia inteira, e pessoas que estão aqui há mais de 30 anos, com família, com compromissos assumidos. Acaba-se com uma companhia assim?" Além dos resultados, Carlos Avilez, ex-presidente do Instituto de Artes Cénicas e ex-diretor do Teatro Nacional D. Maria II, contesta também o facto de eles apenas terem sido conhecidos no fim de março, quando a temporada já arrancou e os compromissos foram feitos.

Assinalando que com mais dez milhões de euros todas as estruturas teriam financiamento, o PCP já entregou na Assembleia da República perguntas dirigidas ao governo para apurar se haverá um aumento de verbas para a cultura e acerca das medidas previstas para que as estruturas não financiadas continuem a sua atividade.

Os valores dos mapas provisórios do teatro apontam para uma estimativa de valores globais em redor dos 26 milhões de euros, dentro do valor total de 64,5 milhões de euros para apoiar todas as áreas, da música às artes visuais. Apenas se conhecem ainda as decisões finais nas áreas de dança e circo contemporâneo e artes de rua: 21 entidades ligadas à dança e três a circo e artes de rua foram financiadas com 5,9 e 1,1 milhões, respetivamente.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...