Continuação de Não Matem a Cotovia. Harper Lee, cega e surda, autoriza antigo manuscrito

O título da tradução portuguesa mais recente é Mataram a Cotovia, mas a maior parte dos leitores conhece-o como Não Matem A Cotovia, fruto da influência francesa de então

Poucas horas antes de se saber a notícia sobre Harper Lee ir editar um novo romance uma das personagens da série televisiva The Good Wife dizia à advogada Alicia Florrick que decidira seguir Direito por causa do livro Mataram a Cotovia, da escritora norte-americana. A protagonista sorri e o episódio continua, esquecidos de um dos livros considerados mais importantes na literatura dos Estados Unidos.

Não é por acaso que o famoso romance é referido na série, deve-se ao facto de ter mudado muitas vidas, o que faz dele uma espécie de Bíblia americana, mesmo que tenha sido escrito quando ainda não se imaginava a capacidade que a televisão teria para destronar a preferência das pessoas entre um livro e um ecrã. Aliás, não é por acaso que o primeiro e único livro publicado por Harper Lee - além de uns textos avulsos - tem o mérito de todos os anos continuar a vender milhões de exemplares.

O novo livro chama-se Go Set a Watchman e não foge ao argumento do seu anterior romance. Segundo as primeiras fugas de informação este novo livro apropria-se de algumas personagens de Mataram a Cotovia, mas situa-se noutro tempo histórico, o da década de 50 em vez do da Depressão. A Amazon, por exemplo, já iniciou as pré-vendas e avançou à americana, prometendo um desconto de 40% sobre a edição de capa dura e o e-book (respetivamente a 16,79 e 13,59 dólares).

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG