Ministro da Cultura anuncia que construção do Palácio da Ajuda termina em 2020

As obras do Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, para acolher um museu com joias da coroa portuguesa, começaram em fevereiro e terminarão em 2020, com um orçamento que subiu para 21 milhões, anunciou hoje o Governo.

O anúncio foi feito pelo ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, e pelo presidente da câmara de Lisboa, Fernando Medina, numa conferência de imprensa que incluiu uma visita ao estaleiro de obras.

A construção do Palácio Nacional da Ajuda estava incompleta há mais de 200 anos - a primeira pedra foi colocada em 1795 -, sendo agora concluída a fachada poente do edifício com um projeto "de desenho e expressão contemporânea" assinado pelo arquiteto João Carlos Santos.

É nessa ala poente que ficará instalada a Exposição Permanente do Tesouro Real, com milhares de exemplares das joias da coroa e tesouros da ourivesaria da Casa Real, num espaço expositivo que será uma caixa forte com apertadas medidas de controlo e de segurança.

O atual projeto de conclusão do palácio já tinha sido revelado em setembro de 2016 e na altura o orçamento rondava os 15 milhões de euros, subindo agora para os 21 milhões de euros. A conclusão estava prevista para dezembro deste ano, mas foi agora adiada para o primeiro trimestre de 2020.

Aos jornalistas, Fernando Medina disse que este é "um projeto único" para "um dos palácios mais emblemáticos do país", enquanto o ministro da Cultura afirmou que, depois de sucessivas tentativas ao longo de dois séculos, é superada "a maldição do arquiteto, porque há uma vontade política. (...) É um grande projeto turístico e cultural".

Por seu lado, o diretor-geral da Associação Turismo de Lisboa, Vítor Costa, explicou que a conclusão da obra ficará mais cara porque incluirá a requalificação do espaço público envolvente, nomeadamente na Calçada da Ajuda, e será criado "um restaurante de grande categoria".

A estas duas razões junta-se mais uma: O projeto "em termos de segurança é muito particular e rigoroso" e foi necessário acrescentar materiais e soluções por recomendação de um consultor internacional, disse Vítor Costa.

Dos 21 milhões de euros estimados para a obra, quatro milhões de euros serão suportados pelo Ministério da Cultura e cinco milhões de euros pela Associação Turismo de Lisboa.

Os restantes 12 milhões de euros sairão do Fundo de Desenvolvimento Turístico de Lisboa, ou seja, com verbas provenientes da cobrança da taxa turística em Lisboa. É a primeira vez que essa taxa é aplicada na área da cultura e do património.

Com um projeto museográfico do 'designer' Francisco Providência, o museu terá um percurso que serpenteia dentro da caixa forte, exibindo, por exemplo, 900 exemplares de joalharia real, 830 de joias do quotidiano, pratas utilitárias e decorativas, peças de ordens e condecorações, documentação e iconografia.

Questionado pela Lusa, o arquiteto João Carlos Santos disse que a expectativa é que o museu acolha 250 mil visitantes por ano. Por razões de segurança e limitações do percurso expositivo, só deverá permanecer na caixa forte cerca de uma centena de pessoas.

Segundo o projeto revelado hoje, a entrada terá detetor e metais e raio-x.

Em 2016, Luís Filipe Castro Mendes disse aos jornalistas que a criação deste novo espaço museológico iria contribuir para um alargamento do então denominado eixo Belém-Ajuda, um plano preconizado pelo anterior administrador do Centro Cultural de Belém (CCB), António Lamas, em torno de vários equipamentos culturais daquela zona.

Dois anos depois, já com Elísio Summaville à frente do CCB, o ministro da Cultura disse hoje que "o eixo não era adequado", enquanto Fernando Medina elencou a valorização de uma série de espaços culturais que se estendem até ao rio Tejo, nomeadamente o Museu Nacional de Etnologia, o Museu Nacional dos Coches, o Padrão dos Descobrimentos, o Jardim Botânico Tropical e o futuro Pavilhão Azul, com a coleção particular de arte de Julião Sarmento.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.