CNB associa temporada de 2014 a Sophia de Mello Breyner

A temporada da Companhia Nacional de Bailado (CNB) para 2014, hoje apresentada em Lisboa, vai associar-se à obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen (1919-2004) e vai estrear cinco peças coreográficas, com destaque para criadores portugueses.

A temporada foi apresentada no Teatro Camões com a presença da diretora artística da companhia, Luísa Taveira, do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, e dos administradores do Opart - Organismo de Produção Artística, João Villa-Lobos e Adriano Jordão.

Luísa Taveira disse aos jornalistas que decidiu associar esta temporada à obra de Sophia de Mello Breyner por ter reparado na "grande ligação da poetisa à dança".

Por essa razão, o mito de Orfeu, um dos favoritos da escritora, vai estar presente logo na primeira estreia da CNB, em fevereiro de 2014, assinada por Olga Roriz.

"Orfeu e Eurídice" é uma das peças encomendadas pela CNB para a nova temporada, e estrear-se-á no Teatro Camões a 27 de fevereiro, assinalando os 300 anos do nascimento de Christoph Willibald Gluck, compositor da ópera com o mesmo título - "Orfeu e Eurídice" -, estreada em Viena em 1762, um dos marcos na chamada reforma da ópera séria, no final do século XVIII

O novo trabalho coreográfico de Olga Roriz, com cenário e figurinos de Nuno Carinhas, terá a música de Gluck interpretada ao vivo pela Orquestra Divino Sospiro, o Ecce Ensemble e o coro da Escola Superior de Música de Lisboa.

Em maio, a CNB acolhe duas estreias em Portugal de peças encomendadas pela companhia sueca GöteborgsOperans Danskompani para a temporada 2013/14 - "Noetic", do belga Sidi Larbi Cherkaoui, e "Metamorphosis", do japonês Saburo Teshigawara -, que vão estrear-se mundialmente em Gotemburgo, em março, e serão a seguir apresentadas em Portugal, segundo Luísa Taveira.

A vinda das duas peças a Lisboa está inserida no Projeto European Dance Exchange, que levará a CNB em digressão a Gotemburgo em junho para apresentar "O Lago dos Cisnes", coreografia de Fernando Duarte e vídeo de Edgar Pêra, estreado em Lisboa em fevereiro deste ano.

Esta peça será apresentada no Teatro Camões, em maio, o mesmo mês que acolhe -- começando em abril - a peça da coreógrafa belga Anne Tersa de Keersmaeker "Mozart Concert Areas", que teve estreia mundial em França em 1992.

Luísa Taveira sublinhou que esta será a quinta criação de Keersmaeker a entrar no repertório da CNB que, no ano passado, acolheu também a coreógrafa no âmbito da Bienal Artista na Cidade, em Lisboa.

Outra estreia, encomendada ao coreógrafo português Rui Lopes Graça, com conceção musical de Pedro Carneiro e música de Joseph Haydn, intitulada "Tempestades", é inspirada no movimento alemão romântico "Sturm und Drang" ("Tempestade e Ímpeto"), que marcou a emergência do classicismo, após o barroco.

Esta peça estrear-se-á em outubro e, em junho e julho, estará em palco o clássico "Giselle", de Georges Garcia, também símbolo do Romantismo, estreada pela CNB no Teatro Nacional de São Carlos em 1987.

Outra estreia, em resultado de uma encomenda da CNB, será, em novembro, uma coreografia de Paulo Ribeiro com música original de Luís Tinoco, intitulada "Lídia", personagem recorrente da poesia europeia, que também inspirou escritores portugueses como Almeida Garrett, Natália Correia, José Saramago e Fernando Pessoa, através do heterónimo Ricardo Reis.

Em dezembro, o período do natal será assinalado com o clássico "Quebra-Nozes -- Quebra-Nozes", reinventado por Fernando Duarte, na coreografia, e André e. Teodósio, na encenação e dramaturgia, com música de Tchaikovski.

Ainda sob o signo de Sophia, a CNB irá criar um espetáculo baseado no conto "A Fada Oriana", que deverá circular pelas escolas do país, com o apoio da Direção-Geral da Educação, e estão ainda previstas conferências e conversas.

Na temporada de 2014, também serão realizados "workshops" inspirados nas coreografias e ligados aos serviços educativos, com projetos realizados por convidados.

Exclusivos