Paulo Branco vai avançar com último projecto de Raúl Ruiz

O produtor de cinema Paulo Branco considera o realizador chileno Raúl Ruiz, que morreu hoje, uma das "pessoas mais extraordinárias" com quem conviveu.

"Conheci o Raúl nos anos 1960, em Paris, e foi das pessoas mais extraordinárias com quem convivi durante estes mais de 30 anos. É das pessoas que, em termos não só pessoais mas artísticos, mais me surpreendeu", afirmou hoje Paulo Branco à agência Lusa, acrescentando que teve um "prazer enorme" em todas as colaborações com o cineasta.

O produtor português define Raúl Ruiz como "absolutamente surpreendente", uma pessoa "de uma humanidade e de um humor que raramente se conseguem encontrar".

Raúl Ruiz tinha "um poder de invenção único, o que o faz ser um dos grandes inventores do século XX e deste século".

Paulo Branco revelou que "As Linhas de Torres", concebido pelo cineasta chileno, "já está preparado" e a produtora que lidera vai "avançar com ele".

"Há-de ser filmado, para chegar depois às salas de cinema", disse, escusando-se a adiantar mais sobre o assunto.

"As Linhas de Torres", com argumento de Carlos Saboga, que já adaptara ao cinema "Mistérios de Lisboa" de Camilo Castelo Branco - realizado por Raúl Ruiz e produzido por Paulo Branco -, tem como tema as invasões francesas em Portugal.

O realizador Raúl Ruiz, nascido há 70 anos no Sul do Chile, morreu hoje em Paris, vítima de cancro no fígado. A cerimónia fúnebre realizar-se-á a 23 de Agosto, às 10:30, na Igreja Saint-Paul, em Paris. O corpo do cineasta será sepultado no Chile, em Puerto Montt, onde o realizador nasceu em 1941.

Exclusivos