Paulo Branco apresenta queixa contra Big Picture

O proprietário da Medeia Filmes, detentor de várias salas de cinema no País, vai apresentar queixa na Autoridade da Concorrência contra as práticas comercias da distribuidora Big Pictures 2 Films.

Paulo Branco anunciou hoje, numa conferência de imprensa, a intenção de avançar com uma queixa na Autoridade da Concorrência pelas "condições inadmissíveis, insustentáveis e completamente fora das regras do mercado de exibição de filmes" impostas pela distribuidora Big Picture 2 Films.

O produtor e exibidor queixa-se de "discriminação muito clara e muito precisa" por parte da Big Picture 2 Films, que detém os catálogos de três grandes empresas norte-americanas - a 20th Century Fox, a Columbia Pictures e a Sony Pictures - desde que a Columbia Tristar Warner encerrou em Portugal, no final de março.

Paulo Branco explica que a distribuidora lhe está a exigir um pagamento adiantado para exibir os filmes do seu catálogo. E dá o exemplo do "Grand Budapest Hotel", para o qual a Big Picture lhe terá pedido 4500 euros adiantados. A empresa já teria solicitado esta garantia noutros casos, que recusara, mas a qualidade do filme de Wes Anderson e a sua relação pessoal com o realizador, levaram-no a aceitar essa imposição. Mas, segundo conta, face ao êxito de bilheteira, a distribuidora ter-lhe-á pedido mais um pagamento adiantado, que Paulo Branco recusou, pelo que a exibição deste filme vai ser interrompida nas salas da Medeia.

O exibidor diz não ser o único a a quem a Big Picture faz esta imposição, mas garante que não é o único a deparar-se com ela.

De acordo com Paulo Branco, a prática habitual em Portugal é o pagamento a 30 ou 45 dias de uma percentagem sobre as receitas de bilheteira: 60% na primeira semana de exibição; 55% na segunda; 50% na terceira e assim sucessivamente.

Nesta conferência de imprensa, o produtor pôs ainda em causa a relação entre a Big Picture e a Zon Audiovisuais, uma vez que esta empresa detém 20 por cento do capital social daquela distribuidora. Além disso, referiu a ligação de Antunes João a estas duas empresas (é presidente da primeira e administrador não executivo da segunda), "senhor" que integrou a empresa que geria o FICA (Fundo de Investimento para o Cinema e Audiovisual), o qual fazia a atribuição de subsídios para produções audiovisuais.

"Na altura fui praticamente boicotado pelo FICA, devido a esse senhor", afirmou Paulo Branco, referindo ainda que "praticamente todos os principais produtores com passado histórico, exceto a MGM, não conseguiram apoios do FICA". A Big Picture, por seu lado, conseguiu em 2011 um apoio de 5 milhões de euros, dos quais terá recebido apenas 1,5 milhões.

Quanto a estas ligações, Paulo Branco só fala em "presumíveis factos" e admite não ter provas de um alegado "pagamento de favores" ou de "corrupção". Se tivesse mais fundamentação, não hesitaria: iria diretamente apresentar queixa à Procuradoria Geral da República.

A Big Picture já reagiu às queixas de Paulo Branco, dizendo que as condições de pagamento estabelecidas com os exibidores dependem "das condições específicas de crédito de cada cliente".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...