'O Mentor': Através da herança dos clássicos

O filme 'O Mestre', é o mais recente de Paul Thomas Anderson, o autor de filmes como 'Boogie Nights', 'Magnolia' e 'Haverá Sangue'.

Título: 'O Mestre'

Realização: Paul Thomas Anderson

Com: Joaquin Phoenix, Philip Seymour Hoffman, Amy Adams

Distribuidora: Pris

Classificação: 5 / 5

Lang. Preminger. Kazan. Fritz Lang pela consciência aguda da moral como resto frágil das convulsões sociais. Otto Preminger pela insolúvel contradição entre as utopias e a vida material. Elia Kazan porque todos os dramas humanos são aventuras do corpo, quer dizer, cinematograficamente, trabalho específico dos atores. Paul Thomas Anderson é um herdeiro direto de todos eles, desse classicismo que fez de Hollywood o centro irradiante da história e da mitologia cinematográfica. E não haverá muitos filmes deste nosso século XXI (penso em A Rede Social, de David Fincher) que consigam, como O Mentor, cruzar a mais radical dimensão individual com a sensação genuinamente trágica de estarmos a assistir a uma colisão de galáxias em que a agonia de um mundo anuncia a possibilidade de outro.

Não por acaso, Anderson transfigura a história do soldado que acabou a guerra (Joaquin Phoenix) na possibilidade de construção de uma relação com o "mentor" (Philip Seymour Hoffman) de uma nova religiosidade. Há no protagonista um tão radical desencanto pelas formas de gratificação que lhe são oferecidas que, em última instância, o seu simbolismo transcende a época em que o descobrimos: como se a América pós-II Guerra Mundial fosse apenas uma configuração ligeiramente diferente da América dos nossos dias.

Há outra maneira de dizer tudo isto: Anderson distingue-se por uma impressionante precisão na encenação dos detalhes da história coletiva, mas não é, nunca foi, um cineasta estritamente "histórico". Dir-se-ia que o seu cinema encena a diferença cruel entre o ter e o ser, entre os instrumentos sociais e a solidão individual: O Mentor é uma epopeia cruel sobre uma ilusão maior que a vida, quer dizer, o carácter inelutável da morte. Um clássico instantâneo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG