Veja aqui a lista completa dos vencedores

São estes os vencedores da cerimónia de entrega dos Óscares em 2014

Melhor Filme - '12 Anos Escravo'

Melhor Realizador - Alfonso Cuarón (Gravidade)

Melhor Ator - Matthew McConaughey (O Clube de Dallas)

Melhor Atriz - Cate Blanchett (Blue Jasmine)

Melhor Ator Secundário - Jared Leto (O Clube de Dallas)

Melhor Atriz Secundária - Lupita Nyong'o (12 Anos Escravo)

Melhor Argumento Adaptado - John Ridley (12 Anos Escravo)

Melhor Argumento Original - Spike Jonze (Her - Uma História de Amor)

Melhor Filme em Língua Estrangeira - 'A Grande Beleza' (Itália)

Melhor Fotografia - Gravidade

Melhor Montagem - Gravidade

Melhor Banda Sonora Original - Gravidade

Melhor Caracterização - O Clube de Dallas

Melhor Guarda Roupa - O Grande Gatsby

Melhor Direção Artística - O Grande Gatsby

Melhores Efeitos Visuais - Gravidade

Melhor Mistura de Som - Gravidade

Melhor Montagem de Som - Gravidade

Melhor Longa Metragem de Animação - 'Frozen'

Melhor Curta Metragem de Animação - 'Mr Hublot'

Melhor Curta Metragem de Imagem Real - 'Helium'

Melhor Curta Metragem Documental - 'The Lady in Number 6'

Melhor Documentário (Longa Metragem) - '20 Feet From Stardom'

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.