Robin Williams foi cremado e cinzas lançadas ao mar

O ator Robin Williams foi cremado na terça-feira da semana passada e as suas cinzas lançadas ao mar na baía de São Francisco, segundo uma cópia do certificado de óbito divulgado na quinta-feira pelos 'media' locais.

Robin Williams, de 63 anos, morreu na segunda-feira, dia 11, na cidade de São Francisco, na Califórnia.

As autoridades norte-americanas ainda não deram por concluída a investigação, embora a hipótese de suicídio seja apontada como a causa provável da morte do ator.

Robin Williams vai ser homenageado na cerimónia de entrega dos prémios Emmy, na próxima segunda-feira, em Los Angeles.

Ao longo da sua carreira, o ator, que sofria de depressão e ansiedade e que tinha sido recentemente diagnosticado com a doença de Parkinson, foi galardoado em duas das nove vezes em que esteve nomeado para os Emmy.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.