Robin Williams foi cremado e cinzas lançadas ao mar

O ator Robin Williams foi cremado na terça-feira da semana passada e as suas cinzas lançadas ao mar na baía de São Francisco, segundo uma cópia do certificado de óbito divulgado na quinta-feira pelos 'media' locais.

Robin Williams, de 63 anos, morreu na segunda-feira, dia 11, na cidade de São Francisco, na Califórnia.

As autoridades norte-americanas ainda não deram por concluída a investigação, embora a hipótese de suicídio seja apontada como a causa provável da morte do ator.

Robin Williams vai ser homenageado na cerimónia de entrega dos prémios Emmy, na próxima segunda-feira, em Los Angeles.

Ao longo da sua carreira, o ator, que sofria de depressão e ansiedade e que tinha sido recentemente diagnosticado com a doença de Parkinson, foi galardoado em duas das nove vezes em que esteve nomeado para os Emmy.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.