Recorde de 76 países com filmes candidatos ao Óscar

Um número recorde de 76 países candidata-se ao Óscar de melhor filme estrangeiro em março, com novas entradas como a Moldávia, a Arábia Saudita e Montenegro.

O filme "As linhas de Wellington", da realizadora chilena Valeria Sarmiento, é o candidato de Portugal a uma nomeação para melhor filme estrangeiro dos Óscares, os principais prémios norte-americanos de cinema, conforme anunciado em setembro pela Academia Portuguesa de Cinema.

"As linhas de Wellington", produzido por Paulo Branco e rodado em Portugal, recria um episódio da História de Portugal, a terceira invasão francesa no começo do século XIX, quando o general Arthur Wellesley, duque de Wellington, liderou um exército anglo-português e utilizou uma linha de fortificações que protegia Lisboa - as Linhas de Torres Vedras.

Com argumento de Carlos Saboga, a longa-metragem é também um fresco social sobre aquela época, acompanhando, em vários momentos, histórias individuais de pessoas de diferentes estratos sociais, que se vão cruzando na narrativa, à medida que as tropas francesas tentam avançar no terreno.

França concorre com "Renoir", de Gilles Bourdos.

A Academia de Artes e de Ciências do Cinema, organizadora dos Óscares, publicou na segunda-feira a lista de 76 países submetidos ao comité de seleção.

Este órgão reduzirá a lista a uma dezena de candidatos, antes de escolher os cinco filmes nomeados para a ambicionada estatueta.

A 86.ª cerimónia de entrega dos Óscares realiza-se a 02 de março no Dolby Teathre, em Hollywood. As nomeações serão anunciadas a 16 de janeiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.