"O Discurso do Rei" foi o vencedor da noite

O filme de Tom Hooper conquistou quatro Óscares em importantes categorias. Ao de melhor filme juntou ainda as distinções de melhor argumento original, melhor realizador e melhor actor.

"O Discurso do Rei" foi eleito o melhor filme da 83.ª edição dos Óscares, atribuídos no domingo em Los Angeles, Califórnia, pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. O prémio foi entregue pelo realizador Steven Spielberg.

Nesta categoria competiam ainda "O Cisne Negro", de Darren Aronofksy, "The Fighter - Último Round", de David O. Russell, "A Origem", de Christopher Nolan, "Os Miúdos Estão Bem", de Lisa Cholodenko, "127 Horas", de Danny Boyle, "A Rede Social", de David Fincher, "Toy Story 3", de Lee Unkrich, "Indomável", de Ethan e Joel Coen, e "Despojos de inverno", de Debra Garnik.

Com este prémio, "O Discurso do Rei" somou quatro dos 12 Óscares para os quais estava nomeado, mas todos eles nas categorias mais importantes. Tom Hooper, inglês de 38 anos, pela primeira vez nomeado, arrecadou o Óscar de melhor realizador e David Seidler o de melhor argumentista. Colin Firth, que esteve nomeado em 2010 com "Um homem singular", venceu agora no papel de George VI de Inglaterra o Óscar de melhor actor.

"A Origem", de Christopher Nolan, venceu quatro Óscares nas categorias mais técnicas."A Rede Social", de David Fincher, nomeado para oito Óscares, conquistou três: melhor argumento adaptado, melhor montagem e melhor banda sonora original, de Trent Reznor e Atticus Ross.

O grande derrotado da noite foi "Indomável", dos irmãos Ethan e Joel Coen, que somava dez nomeações e não arrecadou qualquer estatueta dourada.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.