Músico de Winehouse detido após morte de Hoffman

Um saxofonista que tocou na banda de Amy Winehouse é uma das quatro pessoas detidas em Nova Iorque por alegadamente terem fornecido droga ao recentemente falecido ator norte-americano Seymour Hoffman.

Segundo avança o jornal norte-americano "New York Daily News", o músico Robert Vineberg enfrenta agora a acusação de posse e venda de droga após ter sido detido na terça-feira no seu apartamento em Mott Street, em Manhattan. No telemóvel do músico foi encontrado o número do ator, estando agora as autoridades a tentar perceber a sua ligação à morte do ator, nomeadamente através da venda de heroína adulterada.

O músico de 57 anos participou na gravação do álbum "Frank", de 2003, da cantora Amy Winehouse (falecida em 2011 por overdose), tendo trabalhado com outros cantores famosos como Wyclef jean, Mick Jagger, David Bowie ou Tom Jones, entre outros.

A enteada de Robert Vineberg, Christina Sotto, afirmou hoje ao "New York Post" que o músico conheceu Hoffman há poucos meses mas não lhe vendeu droga. A mulher, de 33 anos, admitiu que Hoffman visitara o apartamento onde o pai costumava vender drogas mas que este não tinha nada a ver com o que o matou porque já não se viam desde novembro.

Os advogados dos quatro detidos também negaram que os seus clientes tenham tido qualquer tipo de responsabilidade na morte do ator.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.