Musical, ‘ma non troppo’

E o inevitável cumpriu-se: o musical Mamma Mia!, grande fenómeno dos palcos internacionais, escrito por Catherine Johnson a partir das canções dos Abba, chega ao cinema.


Mais do que isso: surge recriado para o grande ecrã por Phyllida Lloyd,  precisamente a sua primeira encenadora, em Londres, no West End, corria o ano de 1999. E regressa também a inevitável pergunta: será que é desta vez que podemos falar de um  verdadeiro regresso do género? Será que, finalmente, podemos dizer que o musical volta a afirmar-se como um elemento central do cinema mais popular?


Mesmo perante toda a simpatia (ou nostalgia) que Mamma Mia! Possa suscitar, a resposta a tal ânsia é claramente negativa. E por razões que, também inevitavelmente, ultrapassam a produção específica deste filme. De facto, a idade de ouro do musical é historicamente indissociável dos estúdios clássicos de Hollywood. Quando pensamos nas glórias da década de 50 e em referências míticas como Serenata à Chuva ou A Roda da Fortuna, não  evocamos apenas o excepcional talento de Gene Kelly, Fred Astaire, Cyd Charisse ou Vincente Minnelli... Estamos também a pensar da sofisticação própria dessa espantosa fábrica de produção que era a Metro Goldwyn Mayer. Ora, ao descobrirmos Mamma Mia!, deparamos com os restos de uma estética que, na verdade, independentemente das qualidades individuais dos envolvidos, já não tem uma sólida base industrial para a  sustentar.


Mamma Mia! é mesmo um filme que, por um lado, opta pelo trabalho de estúdio e, depois, muitas vezes sem saber como utilizar esse espaço, “transfere” os números musicais para cenários naturais, como se essa mudança significasse “mais” cinema. Na melhor das hipóteses, assistimos a videoclips das canções dos Abba, mais ou menos imaginativos, mas desconexos e desgarrados. Se o projecto, apesar de tudo, consegue manter alguma energia, e até uma saudável auto-ironia, isso resulta sobretudo do sentido de humor de um elenco onde pontifica uma Meryl Streep que sabe como dar vida ao drama burlesco de uma mulher que se confronta com os três homens (Pierce Brosnan, Colin Firth e Stellan Skarsgard) que são os prováveis pais da sua filha (Amanda Seyfried). Isto, convém lembrar, no dia do casamento da filha.


Curiosa é a opção de ter todos os actores a cantar. Meryl Streep, Julie Walters e Christine Baranski demonstram, todas elas, talento para sustentar tal registo. Quanto a Pierce Brosnan, digamos apenas que lhe terá sido mais fácil compor a personagem do agente secreto 007...

2/5
MAMMA MIA!
PHYLLIDA LLOYD
MERYL STREEP, JULIE WALTERS, CHRISTINE BARANSKI


Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.