Mobiliário de Christian Grey foi comprado em Portugal

Se gostar dos móveis da personagem masculina de "50 Sombras de Grey" pode adquiri-los numa empresa de Rio Tinto.

Mais de três dezenas de peças de mobiliário português decoram em Hollywood o cenário cosmopolita do apartamento de Christian Grey, o milionário personagem principal do livro "50 sombras de Grey" que chega ao grande ecrã a 12 de fevereiro.

"A produção do filme Fifty Shades of Grey procurou as nossas peças de mobiliário para a decoração dos sets do filme", revelou hoje à Lusa Dídia Sousa, responsável de comunicação da empresa de design de móveis de Rio Tinto "Boca do Lobo", convidada pela Universal Pictures pelo seu "design exclusivo, high-end" e "cosmopolita"

Um dos cenários que surge no filme

Um armário de bar, uma mesa, uma vitrina, um armário, uma arca, um aparador e um biombo são algumas das peças da autoria do grupo português "Menina Design" que engloba quatro marcas presentes no filme.

"A produção do filme não quis alterações. Gostou da identidade das marcas e do design das peças tal como elas são", sustentou Dídia Sousa, segundo a qual os responsáveis pela decoração dos cenários encontraram no design português a forma de melhor comunicar "o estilo de vida luxuoso do ator principal".

O grupo conta com quatro marcas - Boca do Lobo, DelightFull, Koket e Brabbu - que têm "o grande sonho" de "elevar o design português à escala mundial", impulsionando-o através de uma "dinâmica empresarial que permita desenvolver e promover processos de inovação".

O contacto inicial e a proposta de colaboração foram feitos com a "Boca do Lobo" pelos designers dos cenários do filme que, após apresentação das restantes três marca, quiseram incluir trabalhos seus, num total de 31 peças decorativas.

"O seu design único, as técnicas artesanais que aliadas à nova tecnologia existente, a paixão pelo design e uma equipa forte, unida, que quer sempre ir mais longe e mostrar a qualidade do design que se faz em Portugal" são as características das marcas portuguesas que cativaram Hollywood e que com o filme esperam "abrir novas portas e aumentar horizontes".

"Cinquenta sombras de Grey" é o primeiro romance de uma trilogia publicada entre 2011 e 2012 da autora britânica E.L.James, de 51 anos.

A trilogia, que se centra na relação e nos jogos sexuais entre Christian Grey, multimilionário de 27 anos, e Anastasia Steele, estudante universitária, atingiu vendas na ordem dos cem milhões de exemplares, segundo contas da editora.

No cinema, os protagonistas do romance são interpretados por Dakota Johnson e Jamie Dornan. O filme só será estreado a12 fevereiro mas os bilhetes foram colocados à venda com dois meses de antecedência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.