João Botelho vai adaptar "Os Maias" para o cinema

O realizador português João Botelho avançou hoje, do Rio de Janeiro, que seu próximo projeto será transformar a obra literária "Os Maias", de Eça de Queirós, num filme.

"Depois de Eça escrever 'Os Maias' [em 1888], Portugal entrou numa bancarrota que levou mais de cem anos para ser quitada. Só a acabámos de pagar em 2001. O que dizem os políticos n''Os Maias' é igual ao que dizem agora. É só tirar um pouco dos bigodes e dos 'frufrus' todos, não mudou nada", afirmou Botelho.

O realizador português encontra-se no Brasil, onde apresentará, nesta quinta-feira, o "Filme do Desassossego", durante a mostra especial de filmes portugueses que integra o Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro.

Botelho manifestou ainda a intenção de procurar um co-produtor no Brasil para o projeto de adaptação do romance de Carlos da Maia e Maria Eduarda, que é, sobretudo, um retrato da época.

"Diante da admiração por Eça de Queirós que há no Brasil, também acredito que não será difícil encontrar um coprodutor", declarou.

O Festival Internacional de Cinema do Rio de Janeiro homenageia, nesta edição, o cinema português, no âmbito das celebrações do Ano de Portugal no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...