João Botelho inicia este mês a rodagem de "Os Maias"

O realizador João Botelho inicia no dia 14 a rodagem do filme "Os Maias - (Alguns) episódios da vida romântica", a partir do romance de Eça de Queirós, anunciou hoje a produtora Ar de Filmes.

O filme será uma co-produção luso-brasileira e contará no elenco com os atores Miguel Guilherme, João Perry, Graciano Dias, Pedro Inês, Maria João Pinho, a atriz brasileira Maria Flor, entre outros.

De acordo com a produtora, a rodagem contará com filmagens em Lisboa, Ponte de Lima e Guimarães.

João Botelho tinha anunciado no final do ano passado, no Rio de Janeiro, a intenção de adaptar para cinema o romance de Eça de Queirós, pela realidade portuguesa relatada na obra literária, que permanece atual.

"Depois de Eça escrever 'Os Maias', Portugal entrou numa bancarrota que levou mais de cem anos para ser quitada. Só a acabámos de pagar em 2001. O que dizem os políticos em 'Os Maias' é igual ao que dizem agora. É só tirar um pouco dos bigodes e dos 'frufrus' todos, não mudou nada", afirmou na altura João Botelho no Brasil.

"Os Maias", um dos clássicos da literatura portuguesa, foi publicado em 1888 e relata a história de três gerações da família Maia, em particular o romance incestuoso entre Carlos da Maia e Maria Eduarda, irmãos.

Eça de Queirós traça ainda, com ironia, um fresco da sociedade portuguesa no final do século XIX, que João Botelho considera atual.

A cinematografia de João Botelho, de 64 anos, tem uma longa ligação com a literatura portuguesa. O cineasta já adaptou textos Agustina Bessa-Luís (em "A corte do norte"), Almeida Garrett ("Quem és tu?") ou, mais recentemente, Fernando Pessoa (em "Filme do Desassossego").

"Os Maias - (Alguns) episódios da vida romântica", que deverá ter também uma versão em minissérie televisiva, contará com 600.000 euros de apoio financeiro do Instituto do Cinema e Audiovisual.

Este projeto cinematográfico será apresentado por João Botelho no dia 10 no Teatro do Bairro, em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.