Jackie Chan diz estar cheio de projetos para o futuro

A estrela de Hong Kong, especialista em artes marciais, Jackie Chan, afirmou hoje, numa conferência em Moscovo, Rússia, que está cheio de projetos, incluindo um filme na Rússia e a abertura de uma escola de cinema na China.

"Eu não me vou aposentar", afirmou Jackie Chan, de 58 anos, durante uma conferência de imprensa em Moscovo, diz a agência russa ITAR-TASS, citada pela APF.

O ator chegou à capital russa no contexto de uma tournée mundial para promover o seu novo filme 'Armadura de Deus 3: Zodíaco Chinês', e afirmou que tem muitos planos para o futuro. Tendo já visitado Moscovo por vária vezes, Chan demonstrou a sua intenção de realizar um filme na Rússia, acrescentando que as filmagens devem começar em 2013.

Afirmou ainda estar a ponderar abrir uma escola de cinema na China para treinar atores de filmes de ação. "Há muitas pessoas que sabem artes marciais mas isso não é suficiente. É também importante saber muitas coisas sobre o cinema", explicou.

Chan disse ainda que o sucesso dos seus últimos filmes demonstram que ele não é apenas uma estrela de 'kung fu' mas também um bom ator. "Eu quero mostrar que não sou apenas um homem que sabe usar os punhos, mas também um ator", declarou.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.