Guimarães convida cineastas a filmar na cidade

Manoel de Oliveira, Pedro Costa, João Botelho e Jean-Luc Godard são alguns dos cineastas que filmarão até ao final de 2012 temas relacionados com a cidade de Guimarães, numa iniciativa da Capital Europeia da Cultura.

"No âmbito da Capital Europeia da Cultura, e até ao final de 2012, será produzida uma série de filmes que reflectirão a riqueza histórica e cultural da cidade de Guimarães, cruzando temas do passado com realidades do presente", indica a organização em comunicado hoje enviado à Lusa.

Além dos realizadores já citados, participarão também nesta iniciativa, a convite da área de programação Cinema e Audiovisual da Guimarães 2012, João Canijo, Margarida Gil, Aki Kaurismaki e Victor Erice, entre outros.

O programa, que pretende "celebrar o cinema como matéria indissociável das memórias, mas também impulsionar o seu crescimento em Portugal", tem um orçamento de 2,3 milhões de euros para a criação de novas obras cinematográficas, segundo a organização.

"Além da encomenda de novas produções, através do convite a autores nacionais e internacionais, o 'cluster' Cinema e Audiovisual pretende transformar Guimarães num novo centro de criação de cinema. Para tal, o projecto contempla também a criação de uma Plataforma de Produção Audiovisual", refere a Guimarães 2012.

A primeira de um total de "mais de três dezenas de obras" previstas será uma curta-metragem do cineasta português Rui Simões sobre as festas tradicionais Gualterianas, que será exibida durante o próximo ano, e cujas filmagens já se iniciaram, dando o "pontapé de saída" oficial no calendário de filmagens.

Com uma equipa de nove elementos, Rui Simões vai documentar alguns dos momentos mais emblemáticos daquela tradição popular, como a Corrida de Cavalos ou a Marcha Gualteriana, que decorrem na próxima segunda-feira, 08 de Agosto, último dia das Festas Gualterianas que se realizam desde 1906 em honra de São Gualter, santo padroeiro de Guimarães, sempre no primeiro fim-de-semana de Agosto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.