Filme sobre Aristides de Sousa Mendes estreia quinta-feira

O filme "O cônsul de Bordéus", que se estreia na quinta-feira, recorda a "enorme coragem e entrega pessoal" do diplomata português Aristides de Sousa Mendes, disse à agência Lusa o realizador Francisco Manso.

"Faz todo o sentido fazer este filme pela temática. É uma história dramática, é um filme de ficção de caráter universal, mas revela uma atitude de enorme coragem", referiu o realizador.

Veja aqui o trailer do filme.

Em "O cônsul de Bordéus", correalizado por Francisco Manso e João Correa, cruza uma história de ficção, de um maestro que recua nas suas memórias a junho de 1940, quando foi um dos milhares de refugiados durante o regime nazi, com a vida real de Aristides de Sousa Mendes.

O diplomata português, à revelia de Oliveira Salazar, atribuiu cerca de trinta mil vistos a refugiados perseguidos pelo regime nazi em 1940.

O filme centra-se precisamente neste período de junho de 1940, durante o qual o antigo cônsul em Bordéus ajudou milhares de judeus e refugiados a viajarem para Portugal ou Estados Unidos.

No papel do cônsul está o ator Vitor Norte, à frente de um elenco que inclui ainda Laura Soveral, Carlos Paulo, Leonor Seixas, João Cabral, António Capelo e São José Correia.

Rodado em 2009 em Viana do Castelo, o filme contou com um orçamento de três milhões de euros e co-produção de Espanha, Bélgica e Polónia.

Nestes três anos entre a rodagem e a estreia comercial, o filme foi apresentado em Bruxelas, à comunidade judaica de Nova Iorque, em Telavive e abriu os festivais de cinema de da Índia e de Muscat, em Omã.

"Se nós temos algum herói moderno é Aristides de Sousa Mendes, uma personalidade fascinante e que foi esquecido por razões políticas e por lascismo nacional", disse à Lusa Francisco Manso quando o filme foi rodado em Viana do Castelo.

O realizador espera que os espetadores portugueses, em particular os mais jovens, vejam o filme para "perceber o que foi aquela época e para perceberem o humanismo de um homem que quis salvar pessoas".

Francisco Manso espera ainda conseguir verbas para assegurar uma dobragem do filme para língua inglesa, de modo a ser apresentado no mercado internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.