Filme "Música em pó" mostra 12 colecionadores de vinil

Depois de ter registado o rock português dos últimos 50 anos, o realizador Eduardo Morais partiu à descoberta de quem coleciona discos de vinil e fez o documentário "Música em Pó", a exibir no domingo em Lisboa.

O filme teve estreia no final de novembro no festival Barreiro Rocks e, desde então, tem sido exibido pelo país, em cerca de dez cidades - Aveiro, Guimarães, Barcelos, Viseu, Caldas da Rainha ou Évora - incluindo agora Lisboa, no domingo, no espaço Sagrada Família.

"Música em pó" é o retrato de doze colecionadores portugueses e sobre a sua relação com os discos de vinil, raridades, preciosidades, escolhas afetivas ou documentos históricos.

"A intenção do 'Música em Pó' sempre foi documentar a paixão e as peculiaridades de cada colecionador. Nunca me interessou entregar medalhas e hierarquizar colecionadores pela quantidade", afirmou o realizador à agência Lusa.

A questão do tempo está também bastante patente no documentário, explicou, "pois um dos maiores dilemas desta área é mesmo o futuro do formato".

"Se conseguir que algum jovem veja o documentário e comece a comprar discos; ou que um coleccionador valorize de outra forma os discos que tem em casa, cumpri um dos meus objetivos", disse.

Entre os colecionadores estão, por exemplo, o investigador José Moças, editor da Tradisom, Joaquim Paulo, autor de "Jazz Covers" (Taschen), o jornalista Rui Miguel Abreu, os músicos e produtores DJ Ride e Stereossauro, o investigador João Carlos Callixto e Heitor Vasconcelos, considerado o maior colecionador de discos de Amália Rodrigues.

São figuras distintas e coleções com milhares de vinis que atravessam vários géneros musicais, do hip hop, funk, rock ié-ié, pop, fado e música tradicional portuguesa.

"Música em pó", que será ainda exibido em Coimbra, Setúbal e Santo Tirso, foi realizado e produzido de forma independente por Eduardo Morais com recurso ao "crowdfunding" - modelo de angariação de financiamento pela Internet, com doação de verbas por anónimos.

Eduardo Morais, formado em som e imagem na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha, prepara agora um documentário sobre o radialista António Sérgio, que morreu em 2009, aos 59 anos.

A rodagem será só em março, sendo antecedida de nova campanha de "crowdfunding", a iniciar a 14 de janeiro, dia do aniversário do radialista.

"Não cresci ao som do António Sérgio, pois sou muito novo para isso, mas é alguém que eu quero saber mais e não tenho praticamente nenhuma informação, portanto serei eu o intermédio para esta emergir", afirmou Eduardo Morais.

"Música em pó" é o segundo documentário de Eduardo Morais e surge dois anos depois de "Meio metro de pedra", sobre o rock'n'roll português desde o fim da década de 1950 até à atualidade.

Para Eduardo Morais, a escassez de informação sobre o rock português - em estudos, ensaios, biografias ou em filmes, por exemplo - serviu de motivação precisamente para avançar com os filmes que fez.

"Relativamente ao rock, é incrível como tudo o que foi tocado pré-Guerra Colonial esteja completamente escondido e não seja libertado", lamentou.

Depois de ter sido exibido em mais de 40 cidades, "Meio metro de pedra" está disponível para visualização gratuita na internet em www.meiometrodepedra.com.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...