Filme inspirado no escândalo DSK é sucesso na Net

O novo filme do realizador americano Abel Ferrara, 'Welcome to New York', inspirado no escândalo sexual protagonizado pelo então presidente do FMI Dominique Strauss-Kahn em Maio de 2011 em Nova Iorque, já ultrapassou os 100 mil 'downloads' pagos em França, onde está disponível apenas na Internet. Cada acesso custa 6,99 euros.

'Segundo a Wild Bunch, co-produtora e distribuidora do filme, 'Welcome to New York' começará a dar lucro quando atingir os 120 mil acessos. A Wild Bunch investiu um milhão de euros na exibição digital da fita.

A fita, onde Gérard Depardieu interpreta uma personagem chamada Devereaux, claramente decalcada da figura de Strauss-Kahn, foi projectada num cinema de bairro à margem do Festival de Cannes, em Maio, numa astuta operação de 'marketing' e no meio de grande burburinho mediático, levando muitos a pensar que fazia parte do programa do certame.

Após a sua apresentação em Cannes, Dominique Strauss-Kahn pôs uma queixa na justiça contra a fita, alegando ser difamado na mesma e ter "direito ao esquecimento". O seu advogado chamou, em público, "uma merda" ao filme. A jornalista Anne Sinclair, mulher do antigo presidente do FMI, que surge no filme interpretada por Jacqueline Bisset, classificou 'Welcome to New York' como "difamatório e anti-semita", numa referência a uma cena em que Devereaux acusa o sogro de ter feito fortuna graças a negócios pouco claros após a II Guerra Mundial.

Vincent Maraval, um dos patrões da Wild Bunch, acusou, por seu lado, as televisões franceses de fazerem "auto-censura" em relação ao filme, por não estarem interessadas em o adquirir. 'Welcome to New York' está comprado pela NOS para Portugal e foi vendido para todo o mundo ainda antes de ter sido projetado em Cannes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".