Autópsia a Philip Seymour Hoffman realiza-se hoje

Segundo o site TMZ, o corpo do ator, de 46 anos, encontrado ontem morto na sua casa de Nova Iorque, de aparente overdose, será hoje autopsiado.

Segundo fonte policial citada pelo New York Times, o ator terá sido encontrado sem vida, de calções e T-shirt, com uma agulha espetada no braço. Junto ao corpo, terá sido encontrado também um envelope contendo heroína.

Os problemas de Philip Seymour Hoffman com as drogas eram conhecidos. Em 2012 terá tido uma recaída que o levou mesmo a uma clínica de reabilitação.

O ator, vencedor de um óscar pela sua interpretação do escritor Truman Capote no filme de 2005 Capote, estava a gravar The Hunger Games: Mockingjay-Part2. Segundo o TMZ, e tendo em conta que apenas faltavam sete dias de rodagem, a data de estreia do filme não deverá sofrer alterações.

Ator de cinema e também de teatro, Hoffman estreara-se na realização em 2010, com Jack Goes Boating.

Nascido em Rochester, no estado de Nova Iorque, a 23 de julho de 1967, formou-se em Artes Dramáticas. Estreou-se na representação aos 24 anos, num episódio da série televisiva Lei e Ordem.

Matinha uma relação com a figurinista Mimi O'Donnel, com quem tinha três filhos, de dez, sete e cinco anos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".