Autópsia a Philip Seymour Hoffman realiza-se hoje

Segundo o site TMZ, o corpo do ator, de 46 anos, encontrado ontem morto na sua casa de Nova Iorque, de aparente overdose, será hoje autopsiado.

Segundo fonte policial citada pelo New York Times, o ator terá sido encontrado sem vida, de calções e T-shirt, com uma agulha espetada no braço. Junto ao corpo, terá sido encontrado também um envelope contendo heroína.

Os problemas de Philip Seymour Hoffman com as drogas eram conhecidos. Em 2012 terá tido uma recaída que o levou mesmo a uma clínica de reabilitação.

O ator, vencedor de um óscar pela sua interpretação do escritor Truman Capote no filme de 2005 Capote, estava a gravar The Hunger Games: Mockingjay-Part2. Segundo o TMZ, e tendo em conta que apenas faltavam sete dias de rodagem, a data de estreia do filme não deverá sofrer alterações.

Ator de cinema e também de teatro, Hoffman estreara-se na realização em 2010, com Jack Goes Boating.

Nascido em Rochester, no estado de Nova Iorque, a 23 de julho de 1967, formou-se em Artes Dramáticas. Estreou-se na representação aos 24 anos, num episódio da série televisiva Lei e Ordem.

Matinha uma relação com a figurinista Mimi O'Donnel, com quem tinha três filhos, de dez, sete e cinco anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.