As atribulações do amor e da conjugalidade

Realizado por Artur Serra Araújo o filme 'A Moral Conjugal' apresenta no elenco nomes como os de Dinarte Branco, Maria João Bastos e São José Correia.

Realização: Artur Serra Araújo (Portugal, 2012)

Com: Dinarte Branco, Maria João Bastos, São José Correia

Distribuição: Zon Lusomundo

Classificação: 1 / 5

Sinopse: Um homem manifesta reacções de enorme insegurança sempre que pressente alguma rejeição amorosa. Com ele, e através dele, são os laços conjugais que vão ser postos à prova...

Entre os muitos lugares-comuns que proliferam em relação ao cinema português, há um que envolve factores (narrativos e simbólicos) que, apesar de tudo, valeria a pena aprofundar: os filmes portugueses não saberiam falar do nosso quotidiano... Há que reconhecer que A Moral Conjugal é, pelo menos, um filme que tenta encontrar algum tipo de resposta que contrarie tal asserção.

Como? Propondo um leque de histórias que encaixam umas nas outras, gerando uma espécie de conto (moral, hélas!) sobre as atribulações do amor e da conjugalidade. Infelizmente, predomina uma visão pitoresca das personagens e suas relações, como se, em termos narrativos, cada ser humano apenas valesse pelo ridículo que lhe possamos atribuir. É pouco para fazer um filme e, sobretudo, muito pouco para valorizar o trabalho dos actores, todos eles empenhados em dar consistência dramática ao que não a tem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.