Filme "Música em pó" mostra 12 colecionadores de vinil

Depois de ter registado o rock português dos últimos 50 anos, o realizador Eduardo Morais partiu à descoberta de quem coleciona discos de vinil e fez o documentário "Música em Pó", a exibir no domingo em Lisboa.

O filme teve estreia no final de novembro no festival Barreiro Rocks e, desde então, tem sido exibido pelo país, em cerca de dez cidades - Aveiro, Guimarães, Barcelos, Viseu, Caldas da Rainha ou Évora - incluindo agora Lisboa, no domingo, no espaço Sagrada Família.

"Música em pó" é o retrato de doze colecionadores portugueses e sobre a sua relação com os discos de vinil, raridades, preciosidades, escolhas afetivas ou documentos históricos.

"A intenção do 'Música em Pó' sempre foi documentar a paixão e as peculiaridades de cada colecionador. Nunca me interessou entregar medalhas e hierarquizar colecionadores pela quantidade", afirmou o realizador à agência Lusa.

A questão do tempo está também bastante patente no documentário, explicou, "pois um dos maiores dilemas desta área é mesmo o futuro do formato".

"Se conseguir que algum jovem veja o documentário e comece a comprar discos; ou que um coleccionador valorize de outra forma os discos que tem em casa, cumpri um dos meus objetivos", disse.

Entre os colecionadores estão, por exemplo, o investigador José Moças, editor da Tradisom, Joaquim Paulo, autor de "Jazz Covers" (Taschen), o jornalista Rui Miguel Abreu, os músicos e produtores DJ Ride e Stereossauro, o investigador João Carlos Callixto e Heitor Vasconcelos, considerado o maior colecionador de discos de Amália Rodrigues.

São figuras distintas e coleções com milhares de vinis que atravessam vários géneros musicais, do hip hop, funk, rock ié-ié, pop, fado e música tradicional portuguesa.

"Música em pó", que será ainda exibido em Coimbra, Setúbal e Santo Tirso, foi realizado e produzido de forma independente por Eduardo Morais com recurso ao "crowdfunding" - modelo de angariação de financiamento pela Internet, com doação de verbas por anónimos.

Eduardo Morais, formado em som e imagem na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha, prepara agora um documentário sobre o radialista António Sérgio, que morreu em 2009, aos 59 anos.

A rodagem será só em março, sendo antecedida de nova campanha de "crowdfunding", a iniciar a 14 de janeiro, dia do aniversário do radialista.

"Não cresci ao som do António Sérgio, pois sou muito novo para isso, mas é alguém que eu quero saber mais e não tenho praticamente nenhuma informação, portanto serei eu o intermédio para esta emergir", afirmou Eduardo Morais.

"Música em pó" é o segundo documentário de Eduardo Morais e surge dois anos depois de "Meio metro de pedra", sobre o rock'n'roll português desde o fim da década de 1950 até à atualidade.

Para Eduardo Morais, a escassez de informação sobre o rock português - em estudos, ensaios, biografias ou em filmes, por exemplo - serviu de motivação precisamente para avançar com os filmes que fez.

"Relativamente ao rock, é incrível como tudo o que foi tocado pré-Guerra Colonial esteja completamente escondido e não seja libertado", lamentou.

Depois de ter sido exibido em mais de 40 cidades, "Meio metro de pedra" está disponível para visualização gratuita na internet em www.meiometrodepedra.com.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.