Exibidor Paulo Branco admite salários em atraso

Paulo Branco, que numa conferência de imprensa, se queixou do que considera prática discriminatória por parte da distribuidora Big Picture 2 Films, diz que a prática da empresa pode agravar situação do mercado.

O proprietário da Medeia Filmes revelou que vai apresentar queixa na Autoridade da Concorrência devido à exigência da Big Picture 2 Films em receber pagamento adiantado do exibidor pelos filmes que distribui, numa conferência realizada hoje.

Nesse encontro com os jornalistas, Paulo Branco mostrou receio de que outros distribuidores possam seguir a mesma prática, o que tornaria insustentável a situação da sua empresa.

"Teria consequências ao nível do pagamento de salários", referiu Paulo Branco. O produtor admitiu depois que em certos momentos tem salários em atraso. "Às vezes não pago no dia 1. Pago a 10 ou a 11", disse. "Mas os atrasos nunca ultrapassam os 15 dias", garantiu, lembrando que muitos dos funcionários da Medeia Filmes estão na empresa há 20 anos.

Recorda também que quando encerrou o cinema King, em novembro do ano passado, conseguiu reintegrar noutras salas do grupo em Lisboa, nomeadamente nos cinemas Fonte Nova e Nimas, os sete funcionários.

Apesar das dificuldades, o produtor independente não pensa em fechar mais salas. "Quando fechar, é tudo de uma vez. Nem que seja daqui a 30 anos", afirma.

Antes do encerramento do King, em maio de 2011, Paulo Branco fechara as salas do Saldanha Residence, que reabriram no final do ano passado com gestão da @Cinema. Na época, nove pessoas ficaram desempregadas.

Exclusivos