Big Picture alega que condições de pagamento dependem do crédito

O exibidor Paulo Branco, proprietário da Medeia Filmes, queixou-se hoje de tratamento discriminatória por parte da distribuidora. A Big Picture defende que as condições de pagamento variam consoante o crédito do cliente.

Em declarações à Lusa, José Antunes João, administrador da Big Picture 2 Films, afirmou que as condições de pagamento estabelecidas com os exibidores dependem "das condições específicas de crédito de cada cliente".

"E o crédito de cada cliente depende obviamente da avaliação de risco do mesmo", afirmou o administrador, sem fazer qualquer referência direta à Medeia Filmes e escusando-se a comentar qualquer uma das críticas apontadas por Paulo Branco.

O proprietário da Medeia Filmes, que em Lisboa explora as salas do Monumental, do Fonte Nova e do Nimas, anunciara que iria apresentar queixa na Autoridade da Concorrência contra as "práticas comerciais da distribuidora Big Picture 2 Films, a terceira maior distribuidora de cinema, em 2013, com uma receita bruta de 8,45 milhões de euros.

Paulo Branco explicou que a distribuidora lhe exigia pagamento adiantado para exibir os filmes, quando o hábito em Portugal é o pagamento de uma percentagem das receitas de bilheteira, variável consoante a semana de exibição em causa.

O produtor fez também algumas considerações acerca da ligação entre a Big Picture e a Zon Audiovisuais, uma vez que esta empresa detém 20 por cento do capital social daquela distribuidora, e sobre Antunes João, que é administrador da primeira, administrador não executivo da segunda e foi administrador na entidade que geria o FICA (Fundo de Investimento para o Cinema e Audiovisual), que atribuía subsídios à produção audiovisual.

Sobre a relação entre a Zon Audiovisuais e a Big Picture, Antunes João afirmou que se limitam "a uma participação social de vinte por cento da Zon Audiovisuais da Big Picture 2 Films".

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.