Atual presidente entre os 3 nomeáveis para a direção do ICA

Filomena Serras Pereira é um dos três nomes que a Comissão de Recrutamente e Seleção para a Administração Pública (CReSAP) enviou para o gabinete do Secretário de Estado da Cultura para o lugar que já ocupa no Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA).

Anabela dos Santos Afonso e José Pedro Berhan da Costa são os outros nomes da lista de três que seguiu, ontem, para o gabinete do Secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, de acordo com o site da comissão.

Filomena Serras Pereira era assessora do conselho diretivo do ICA quando o anterior diretor, José Pedro Ribeiro, se demitiu, em novembro deste ano. Substituiu o diretor e entretanto foram abertos concursos para a direção deste organismo, assim como da Cinemateca Portuguesa.Trabalhou no extinto ICAM (Instituto do Cinema e Audovisual).

Anabela Afonso, licenciada em Direito, é professora universitária, esteve na Inspeção Geral das Atividades Culturais e trabalhou no ministério da Cultura em 2002, onde aliás se cruzou com o terceiro nomeável para o cargo de presidente do ICA, José Pedro Berhan da Costa.

Berhan da Costa, advogado, também passou pelo ICAM. Saiu em 2005, em rutura com o então secretário de Estado da Cultura, José Amaral Lopes.

Um júri de cinco pessoas, presidido por João Bilhim, analisou 18 candidaturas, entrevistou seis pessoas, segundo fonte CReSAP, escolheu estes três nomes, hoje enviados para o secretário de Estado da Cultura, que terá a palavra final sobre o sucessor de José Pedro Ribeiro no Instituto do Cinema e Audiovisual, responsável pelos concursos de apoio à produção cinematográfica e compilação de dados sobre a indústria cinematográfica em Portugal.

O ICA enfrenta um momento difícil com a redução das receitas publicitárias e consequente diminuição da taxa de 4% aplicada a anunciantes e o não pagamento por parte dos operadores de televisão por subscrição dos 3,5 euros por assinante que a Lei do Cinema prevê.

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.