'Antes da Meia-Noite': Os efeitos da vida em comum

O par romântico, falador e realista de "Antes do Amanhecer" e "Antes do Anoitecer", de Richard Linklater, é agora um casal com filhos em "Antes da Meia-Noite".

O primeiro filme, Antes do Amanhecer, (1995), passado em Viena, era sobre amor à primeira vista e uma ligação emocional imediata e intensa que acaba por não ter continuidade. O segundo filme, Antes do Anoitecer (2004), ambientado em Paris, era sobre a possibilidade da sobrevivência desse amor e do retomar e concretizar dessa ligação que ficou suspensa.

Ambos são modelos acabados de cinema indie e carburam a conversa, conversa e mais conversa, muita dela fiada, alguma mais profunda, sobre a vidinha , o amor, a felicidade, e a realização pessoal e conjugal, nas pessoas do americano Jesse e da francesa Celine os heróis românticos, loquazes, peripatéticos e tangivelmente realistas deste par de fitas assinadas por Richard Linklater.

Escritos em equipa pelo realizador e pelos dois principais atores, Ethan Hawke e Julie Delpy, Antes do Amanhecer e Antes do Anoitecer tocaram fundo numa geração de jovens espectadores que se reviram nas personagens de Jesse (Hawke)e Celine (Delpy), bem como nas suas circunstâncias, aspirações, hesitações e frustrações pessoais, sentimentais e existenciais. Daí que se tenham transformado em filmes de culto e dado origem até a fóruns de discussão na Internet, onde alguns falam de Jesse e Celine como se fossem pessoas reais, tal o grau de empatia e identificação criado com eles.

Pela terceira vez, quase 20 anos depois do filme original e oito após o segundo, Linklater, Hawke e Delpy arriscaram revistar o casal e mostrá-los numa nova etapa da sua vida, ver o que permanece ou mudou nas suas vidas e como a passagem do tempo os afetou (a eles, mas também a quem os tem acompanhado desde 1995 - o tempo que molda, altera e gasta acaba por ser o terceiro protagonista destes filmes.)

Antes da Meia-Noite vai apanhar Jesse e Celine na casa dos 40, já com alguns anos de vida em comum, pais de duas gémeas e de férias na Grécia. Ethan Hawke disse numa entrevista ao The New York Times que se os dois primeiros filmes eram sobre "projeções românticas", este teria que ser "o oposto disso", com Richard Linklater a adiantar que a ideia de Antes da Meia-Noite era encontrar "um equilíbrio" entre o caráter inevitavelmente "doméstico" da vida do casal e "algo que remetesse para os dois primeiros filmes", porque de outra forma, o resultado seria "deprimente".

Assim, trata-se de ver o que sobrevive, e o que se perdeu, da relação entre o Jesse e a Celine que se encontraram, apaixonaram e fartaram de dar à língua ao longo de uma noite em Viena, em meados da década de 90 do século passado, e que agora vivem juntos, geraram prole, criaram rotinas. O que têm eles ainda a dizer um ao outro? o que resta do que os fez tornarem-se um casal? Como é que o tempo moldou, consolidou ou sabotou a sua relação?

Linklater mantém intacta a identidade cinematográfica e a matriz narrativa da série neste terceiro filme que, tal como os dois anteriores, parece espontâneo, inspiradamente improvisado, mas volta a ser cuidadosamente escrito e meticulosamente construído por ele, Ethan Hawke e Julie Delpy.

E poderá haver um quarto filme. Como disse Linklater ao The New York Times, "precisamos de ver como as coisas se vão desenvolver, e onde é que estes dois poderão possivelmente encontrar-se a seguir. E isso agrada-me."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG